app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 0
Caderno B

FORÇA DE MULHER

Em novo álbum, Mel Nascimento evoca a força feminina e diz que ser artista é dar voz ao seu povo

Por MAYLSON HONORATO | Edição do dia 17/04/2021 - Matéria atualizada em 16/04/2021 às 23h18

Ela já foi Elza Soares em um tributo ao ícone da música brasileira, já liderou a batucada do Grupo Malacada de Alagoas, já nos colocou pra sambar com as Tamboricas e nos arrepiou muitas vezes com uma voz forte e sua música que embala reflexões poderosas. O nome dela é Mel Nascimento, cantora alagoana que acaba de lançar o álbum Força de Mulher, já disponível em todas as plataformas digitais.

O novo projeto musical da artista é mais um desdobramento do que ela diz compreender como missão. Para ela, a música é uma bandeira e o microfone um amplificador das vozes constantemente silenciadas pelas inúmeras desigualdades sociais. Já o novo álbum é uma evocação da força feminina, da força das mulheres pretas, da força das mulheres alagoanas.

O álbum foi lançado no dia 13 de abril. Antes disso, em 13 de março, um site (melnascimento.com) com informações, fotografias, bastidores e curiosidades entregou ao público detalhes do que a artista multifacetada estava preparando. Em breve, no dia 13 de maio, ela lançará o DVD Força de Mulher, com um registro singelo das canções e ainda depoimentos sobre o processo de construção do trabalho.

“Força de Mulher” sucede o “Um bando de samba”, lançado em 2014. O segundo CD de Mel Nascimento chega após anos de produção e foi abraçado pelo público em uma vaquinha virtual, lá em 2018. De lá para cá, de acordo com Mel, foram dias e dias de pesquisa e de imersão no universo do disco. Ela reuniu um time de compositores, um time de músicos e o resultado é um disco de múltiplos olhares sobre o feminino e que incorpora ritmos universais aos batuques da Mel, que possuem sim sua particularidade. 

Além da vaquinha, que ultrapassou as metas de arrecadação, o projeto recebeu auxílio financeiro da Lei Aldir Blanc, o que contribuiu para driblar as dificuldades da pandemia e viabilizar a produção do DVD, que está em pré-venda.


Foto: Divulgação
 

MEL NASCIMENTO

Mel Nascimento é alagoana, bacharela em Canto pela Ufal e pós-graduanda em Gestão Cultural pelo Senac/SP. Iniciou sua carreira artística aos 13 anos, cantando em coros, entre eles a Camerata Pró Música de Alagoas.  Foi vocalista do Grupo Malacada de 2010 a 2016. Em 2014 lançou o CD “Um bando de Samba”. Em 2017, com o “Tributo ao Compositor Jacinto Silva”, fez show no Festival de Inverno de Garanhuns, sucesso que foi repetido em 2018, no carnaval de Recife e no São João de Caruaru/PE. É uma das produtoras do Festival Alagadiças e idealizadora do Grupo Tamboricas – a primeira roda de samba 100% feminina de Alagoas.

Em “Força de Mulher”, Mel Nascimento resolveu explorar a ancestralidade, mas sem esquecer da contemporaneidade. Como alguém com alma de artista, ela chegou em comunidades remanescentes quilombolas de Alagoas para atuar como técnica agrícola, mas seu olhar sobre aquela realidade se converteu num texto, um desabafo íntimo que, nas mãos de Arnaud Borges, virou a faixa que dá nome ao CD.

O álbum traz 10 canções, assinadas pelos compositores Toni Edson, Mirian Monte, May Honorato, Arnaud Borges, Gustavo Gomes, Arielly Oliveira, Telma César, Luciano Falcão, Thacya Cledina, além da própria Mel. Quem se encarregou de orquestrar essas poéticas foi o músico Misael Dantas, que assina a direção musical do álbum.

Pela voz de Mel Nascimento, traduz-se em música as lutas femininas, a força da singeleza, o amor, o desejo, o orgulho de ser mulher - e ainda dá tempo de levantar a bandeira pela preservação da Amazônia. Em uma das faixas ela evoca a beleza do simples ao dizer “Posso muito bem trocar a glória, por ouvir o canto do arvoredo”. Em seguida, ela diz que sua sensibilidade não significa fraqueza, pelo contrário, e entoa: “Luto com a força de Dandara / com braços de mulher quilombola”.

Leia mais na página B2

Mais matérias
desta edição