app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 0
Caderno B

CINEMA FRANCÊS EM MACEIÓ

Mais sério e político, edição 2022 do Festival Varilux de Cinema Francês chega a Maceió com filmes inéditos e séries; confira detalhes

Por Thauane Rodrigues* ESTAGIÁRIA | Edição do dia 21/06/2022 - Matéria atualizada em 21/06/2022 às 14h42

 

Foto: Divulgação
 

Atravessando as fronteiras e trazendo para Maceió aclamadas obras cinematográficas francesas, a edição 2022 do Festival Varilux de Cinema Francês começa nesta terça-feira (21) e vai até o dia 6 de julho, no Centro Cultural Arte Pajuçara. É a 13ª edição do projeto, que costuma lotar as salas de exibição em Maceió e possibilitará ao público alagoano o contato com as novas produções de uma dos cinemas mais importantes do mundo.

Neste ano de retomada, o Varilux, que já foi considerado o maior festival de cinema francês do mundo, chega robusto, ocupando 92 cinemas, em 50 cidades brasileiras.

“Achávamos que teríamos poucos filmes por causa da pandemia, mas foi uma surpresa: tivemos muitas produções. Na França, nos intervalos de cada confinamento, os diretores filmaram muito. Assistimos a mais de 200 filmes para chegar nesta seleção”, diz Emmanuelle Boudier, co-diretora e curadora do Festival Varilux de Cinema Francês.

A seleção em questão reúne 17 longas inéditos, além de duas obras escolhidas como homenagens: “O Papai Noel é um picareta” (1982), de Jean-Marie Poiré, que comemora 40 anos; e “As aventuras de Molière” (2007), de Laurent Tirard e Ariane Mnouchkine, em tributo pelos 400 anos de nascimento do dramaturgo francês, nascido em 1622.

A programação inédita inclui filmes premiados em festivais internacionais e sucessos de bilheteria na França, além de novos projetos de cineastas consagrados.

Vencedor do Leão de Ouro no Festival de Veneza 2021, “O acontecimento”, da diretora franco-libanesa Audrey Diwan, é um dos destaques da programação. O longa conta a história de uma jovem que decide interromper a gravidez na década de 1960, quando o aborto ainda era ilegal na França. Anamaria Vartolomei, protagonista da produção, conquistou o César Awards de atriz mais promissora.

Além de François Ozon (que teve seu “Peter Von Kant” exibido no último Festival de Berlim), Asghar Farhadi (“Um herói”, vencedor do Grande Prêmio no Festival de Cannes 2021) é outro diretor de destaque presente na seleção.

Apesar da presença de comédias como “Um pequeno grande plano”, de Louis Garrel, a curadora aponta para uma seleção um pouco mais “séria” tematicamente, com dramas políticos e sociais que refletem um mundo marcado pela pandemia, pela guerra e pela ascensão da extrema-direita na França:

“O cinema francês tem essa força de se inspirar em tudo que movimenta a sociedade. As ameaças ambientais e os problemas políticos e sociais são fonte de inspiração, então diria que temos uma seleção um pouco menos leve do que de costume.”

EM ALAGOAS

Para Adller Costa, coordenador cultural da Aliança Francesa de Maceió , o evento é o momento de uma boa amostra da produção anual da França.

“Para nós da Aliança Francesa de Maceió, em nosso intuito de desempenhar um papel proativo na cena cultural maceioense, é uma enorme satisfação poder continuar a participar desse projeto depois da época árdua pela qual todos nós passamos. Trata-se de um festival de âmbito nacional bastante singular, pois ocorre simultaneamente em cidades de quase todos os estados brasileiros e que disponibiliza, em salas de cinema, uma boa amostra da produção francesa anual, criando assim um ambiente de troca com o público e os artistas brasileiros”, afirma.

Durante os dias de festival haverá filmes para todos os gostos. O público alagoano poderá desfrutar de dramas, romances, filmes de época premiados e até mesmo inspirados em obras literárias.

“No total, são 17 produções inéditas ou recentes. Como tem sido o costume, haverá igualmente dois clássicos: uma comédia de 1982, Papai Noel é um picareta, um espécime legítimo da comédia popular francesa, para quem riu com filmes como a Grande Escapada, a Gaiola das Loucas ou o Jantar dos Malas, é uma boa pedida”, detalha Adller Costa.

Para os amantes alagoanos de teatro, haverá a grande produção As Aventuras de Molière, de 2007, uma homenagem ao maior comediógrafo da Europa moderna, sob a co-direção da grande diretora de teatro, renovadora da cena francesa contemporânea, Ariane Mnouchkine.

“Além dessas diversas opções para todos os paladares e inclinações, o público poderá também assistir ao filme Kompromat, no qual um membro da Aliança Francesa (felizmente não sou eu, sou bastante medroso), é perseguido pelo serviço secreto Russo”, completa Adller.

De acordo com Marcos Sampaio, gestor do Centro Cultural Arte Pajuçara, todos os filmes terão mais de uma sessão programada, em horários distintos, para que o público tenha opções e possa prestigiar o maior número possível de filmes.

“O festival é a principal vitrine do cinema francês contemporâneo. Uma das mais respeitadas e admiradas cinematografia mundial, com enorme aceitação junto ao público brasileiro, que tem no Festival Varilux a oportunidade de ter acesso às mais recentes produções do cinema francês”, diz o gestor.

Ainda de acordo com Sampaio, para o Centro Cultural Arte Pajuçara receber o Festival Varilux de Cinema Francês é a reafirmação do espaço como local privilegiado para receber atrações como essa.

“Acreditamos que além do público sempre fiel ao local e ao cinema teremos oportunidade de atrair um público de novos frequentadores, diante da excelente programação de filmes. Uma enorme expectativa pelo sucesso ainda maior nesta edição”, completou ele.

Para o coordenador cultural da Aliança Francesa em Alagoas, Adller Costa, a 13ª edição do Festival Varilux de Cinema Francês será um deslumbre.

“O cinema é uma arte que trabalha o imaginário em união íntima com o real e o atual, trata-se também de uma maneira de entrar em contato com diferentes olhares e aspirações, com seus desafios, impasses e dinâmicas. Nossa maior expectativa é que nesta 13ª edição haja um público que entre nas salas de mente aberta e saia delas de espírito contente ou meditativo”, finaliza.

A programação completa está disponível no site: artepajucara.com.br.

*Sob supervisão da editoria de Cultura

Mais matérias
desta edição