app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 0
Caderno B

CONCERTO SOLIDÁRIO

Show reúne artistas alagoanos e orquestra filarmônica para arrecadar alimentos para as famílias vítimas das chuvas em Alagoas; espetáculo será nesta quarta-feira (3), em Maceió

Por Thauane Rodrigues* ESTAGIÁRIA | Edição do dia 03/08/2022 - Matéria atualizada em 03/08/2022 às 14h13

 

Foto: MONICA GUIMARÃES
  
Arte e solidariedade têm um encontro marcado nesta quarta-feira (3), no palco do Teatro Gustavo Leite, em Maceió. A partir das 20h, a Orquestra Filarmônica de Alagoas e 20 cantores e cantoras de Alagoas se apresentam com o intuito de arrecadas alimentos para as vítimas das chuvas em Alagoas. O ingresso custa dois quilos de alimentos não perecíveis.

Foi a partir da inquietação do cantor Igbonan Rocha que o show “Águas de Julho - SOS Alagoas” nasceu. Ele conta que buscava uma forma de ajudar as famílias alagoanas que sofreram com os impactos das chuvas caídas entre maio e julho. Segundo o artista, inicialmente, o evento seria muito menor.

“Estava em casa pensando em como ajudar as pessoas que estavam sofrendo com as chuvas, logo pensei em um show meu, de pequeno porte e com alguns amigos, mas depois conversei sobre a ideia com o maestro Luiz Martins, que logo em seguida conversou com os músicos e a Orquestra Filarmônica já estava dentro do projeto”, revelou Igbonan Rocha.

Com estilos musicais diversos, os cantores e cantoras se preparam para entregar um repertório cheio de música boa, nordestina, além de clássicos da MPB. De acordo com o idealizador do projeto, Igbonan Rocha, está sendo uma emoção vivenciar esse momento, pois para muitos artistas será a primeira vez tocando com uma orquestra filarmônica.

De passagem por Alagoas, o cantor Naldinho Freire fará parte do time de cantores presentes no show ‘Águas de Julho - SOS Alagoas’ e conta que está empolgado com o evento.

“Cheguei às vésperas do concerto ‘Águas de Julho” - SOS Alagoas’, acompanhei as notícias desse período chuvoso e percebo o quanto é necessário sermos solidários neste momento. Portanto, me sensibilizei com a iniciativa, entrei em contato com Igbonan Rocha e me dispus a participar desse encontro de artistas em prol das famílias desabrigadas. Estar juntos com esse grupo de profissionais da música e com a Orquestra Filarmônica de Alagoas é perceber a força que a música tem e como podemos, através dela, transformar situações adversas”, disse Naldinho.

Emoção e expectativa estão marcando os ensaios e a preparação para o show. Segundo o artista, os momentos têm sido de muita troca.

“Fizemos o ensaio geral, foi um clima que nos levou além desse evento, pela força da Orquestra Filarmônica de Alagoas, das cantoras, dos cantores e do repertório. O público vai receber um grande presente musical, a partir do repertório que será apresentado, canções autorais e clássicos do cancioneiro brasileiro, será um concerto memorável”, contou ele.

Animado para viver “esse momento ímpar para a cultura alagoana”, o artista Zé Milton conta que, mesmo com toda a correria para fazer o evento acontecer, é uma honra participar e poder contribuir.

“Nós somos muitos e tudo teve que acontecer em tempo recorde, mas tudo está saindo bem com a organização da orquestra, do maestro Luiz Martins, aliado à vontade de fazer acontecer de toda equipe, dos cantores, dos músicos, dos organizadores, enfim, dos envolvidos, que estão tornando tudo isso possível num tempo muito curto”, contou ele.

“Além de toda a importância do evento, ainda tem o fator aglutinador da classe artística. No ensaio, revemos tantos amigos da música que a pandemia separou. Classe essa que foi uma das que mais sofreu com essa situação inusitada”, completou.

Para transformar a arte em um instrumento de solidariedade, os que desejam assistir ao show devem levar, como formato de ingresso, 2 quilos de alimentos não perecíveis, com exceção do sal. Além disso, o evento também estará recebendo doações de roupas, cobertores e material de higiene pessoal.

“Serão 1.200 ingressos disponibilizados na bilheteria, estamos com uma expectativa muito, muito boa e a esperança de lotar o teatro. Até os músicos abriram mão dos seus ingressos para contribuir levando os dois quilos de alimento”, disse Igbonan Rocha.

Esperançosa em poder ajudar e feliz por mostrar a união da classe artística, a cantora alagoana Kel Monalisa afirma que a noite de quarta-feira será um momento de muita emoção e empatia.

“Me sinto feliz, honrada e um instrumento de Deus nesse momento. A arte cura! A música esteve presente durante a pandemia alegrando e aliviando o coração apertado e inseguro das pessoas e é assim também que me sinto nesse momento por levar alegria e alívio para as pessoas através do meu trabalho, do meu ofício. Cantar com a Orquestra Filarmônica é uma emoção, o repertório tem músicas de artistas alagoanos e brasileiros. Tá lindo! Vai ser lindo!”, disse Kel.

Já pensando no futuro, Igbonan Rocha conta que pretende tornar o evento anual e muitos artistas estão empolgados para manter o momento de empatia, troca e afeto entre os artistas.

“O Águas de Julho, deve ser um evento permanente, anual, não para conseguirmos doações para desabrigados e sim para comemorarmos o fazer artístico, trabalhar a educação musical, comemorarmos a vida”, afirmou Naldinho Freire.

*Sob supervisão da editoria de Cultura

Mais matérias
desta edição