app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5714
Caderno B

Alagoas tem dois curtas selecionados na Mostra de Cinema de Tiradentes

Os curtas "Infantaria" e "Nós Duas", estão na programação da Mostra Panorama do festival, juntamente com outros 27 filmes

Por THAUANE RODRIGUES * ESTAGIÁRIA | Edição do dia 11/01/2023 - Matéria atualizada em 11/01/2023 às 15h32

Seguindo a crescente do audiovisual alagoano, em dose dupla, os curtas-metragens ‘Infantaria’, de Laís Santos Araújo, e ‘Nós Duas’, de Wéllima Kelly e Leandro Alves, foram selecionados para a 26ª edição de um dos mais destacados estivais da cena audiovisual nacional, a Mostra de Cinema de Tiradentes.

De 20 a 28 de janeiro, os filmes irão representar Alagoas na histórica cidade de Tiradentes, em Minas Gerais. Conhecida como “a mostra que é a cara do Brasil”, a 26ª edição tem a temática ‘Cinema Mutirão’, fazendo alusão aos últimos três anos, quando a pandemia da Covid-19 e a ausência de políticas públicas afetaram drasticamente a economia criativa no país.

Entre longas, médias e curtas-metragens, a Mostra selecionou 134 filmes, de 19 estados brasileiros. Felizes por estarem levando o audiovisual alagoano para Minas Gerais, os realizadores dos curtas encaram a seleção como mais um incentivo para seguir produzindo.

INFANTARIA

Contando a história de Joana, Dudu e Verbena, o filme é a segunda ficção de Lais Santos Araújo, e tem se destacado no cenário audiovisual, colecionando prêmios e marcando os festivais dentro e fora de Alagoas. ‘Infantaria’ surgiu a partir das observações de mundo da diretora e pelo interesse pelos tópicos abordados no filme, que são as diferentes etapas do crescimento de mulheres e crianças.

“Estou encarando essa repercussão do filme com alegria; é massa demais ter um trabalho reconhecido e sei que esse reconhecimento tem aberto portas importantes. É a minha segunda ficção, um projeto onde pude dirigir crianças pela primeira vez, onde trabalhei com pessoas que admiro, onde experimentei brincar com realismo mágico e testei linguagens que certamente vou continuar estudando nos próximos filmes. Representa minha continuidade como artista”, contou Lais.

De tanto colecionar prêmios, o filme está apto para uma indicação ao Oscar de 2023. ‘Infantaria’ também estará levando o nome de Alagoas para Berlim, no Festival Internacional de Cinema de Berlim, em fevereiro deste ano.

De acordo com a diretora Lais Santos Araújo, a emoção é grande e a expectativa é a de entender como será a recepção do filme na Berlinale e os caminhos que o filme traçará depois.

NÓS DUAS

Estreando no cenário das mostras, o documentário ‘Nós Duas’ de Wéllima Kelly e Leandro Alves, em 13 minutos, conta história e memórias de Dona Creuza. Residente da zona rural de Arapiraca, a idosa relata e relembra seu passado recente.

Retratando as relações maternais, afetuosas e até mesmo violentas, a história do filme foi descoberta por Leandro Alves em 2017, quando realizava outro projeto. Após alguns anos, o diretor encontrou no local um novo cenário cada vez mais intimista.

Feliz por estar levando o audiovisual alagoano e, principalmente, o arapiraquense, para a Mostra Tiradentes, Leandro relembrou momentos marcantes do processo de produção da obra e afirmou que sabia que o filme era a cara da mostra. A notícia chegou como uma surpresa boa.

“Mesmo tendo histórias tão dolorosas e difíceis, Dona Creuza nunca deixou de nos contar elas com um sorriso no rosto e isso me marcou demais. ‘Nós Duas’ é um filme que conta uma história muito simples, mas muito verdadeira, cheia de potencial. É nosso primeiro festival e queremos levá-lo para o mundo”.

Já para Wéllima Kelly, ‘Nós Duas’ é carregado de sentidos, que doem, mas também são poéticos. A diretora conta que se envolveu com o filme de uma maneira muito intensa e que ele foi responsável por fazê-la repensar sua forma de fazer cinema, já que teve que colocar muito mais em prática a sua escuta e o silêncio.

“O filme foi muito desafiador para mim. Dona Creuza é uma mulher incrível e chegar nessa narrativa, conseguir acessar tudo aquilo que ela tinha, foi um processo longo. Estamos em êxtase pela aprovação na Mostra Tiradentes, é um festival muito importante e é nosso primeiro. Para a gente, que faz cinema no interior de Alagoas, é de uma alegria imensa”.

MOSTRA TIRADENTES

A Mostra de Cinema de Tiradentes chega a sua 26ª edição, de 20 a 28 de janeiro de 2023, abrindo o calendário audiovisual brasileiro.

O evento gratuito exibirá 134 filmes (38 longas, 3 médias e 93 curtas-metragens) de 19 estados - (AL, AM, BA, CE,DF, ES, GO, MG, MT, PA, PB, PE, PR, RJ, RN, RR, RS, SC, SP - em 57 sessões de pré-estreias e mostras temáticas. Além de, numa iniciativa inédita: promover o 1º Fórum de Tiradentes - Encontros pelo Audiovisual Brasileiro, que contará com a presença de Cármen Lúcia, ministra do Supremo Tribunal Federal, e de Alex Braga, Presidente da Ancine, entre outros.

A abertura será no dia 21/01, a partir das 20h30, com homenagem aos cineasta mineiros radicados na Bahia Ary Rosa e Glenda Nicácio, e exibição, em pré-estreia, de “Mugunzá”, novo filme da dupla de realizadores.

Em sua 16ª versão, a Mostra Aurora­– seção do evento dedicada a filmes independentes feitos por realizadores com até três longas-metragens no currículo traz: “A Vida são Dois Dias” (RJ/CE), de Leonardo Mouramateus; “As Linhas da Minha Mão” (MG), de João Dumans; “Cervejas no Escuro” (PB), de Tiago A. Neves; “Peixe Abissal” (RJ), de Rafael Saar; “Solange” (PR), de Nathalia Tereza e Tomás von der Osten; “Vermelho Bruto” (DF), de Amanda Devulsky; e “Xamã Punk” (RJ), de João Maia Peixoto. Todos eles vão ser avaliados pelo Júri Oficial e concorrem ao Troféu Barroco e outros prêmios.

* Sob supervisão da editoria de Cultura.

Mais matérias
desta edição