app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5751
Caderno B

Ufal: professores encerram greve, mas não definem volta às aulas

Após 65 dias de paralisação, que afetou 26 mil alunos, categoria aceitou proposta do governo de reajuste só em 2025

Por Carolina Sanches | Edição do dia 03/07/2024 - Matéria atualizada em 03/07/2024 às 04h00

Mesmo sem terem obtido o reajuste salarial reivindicado para este ano, os professores da Universidade Federal de Alagoas (Ufal) decidiram ontem encerrar a greve da categoria. A paralisação começou no dia 29 de abril deste ano e durou 65 dias, deixando cerca de 26 mil estudantes se aula.

A decisão de pôr fim à greve aconteceu durante a assembleia geral realizada pela Associação dos Docentes da Ufal (Adufal), ontem de manhã, no Campus A. C. Simões, em Maceió, e após as assembleias nos campi do interior.

No total, dos 192 docentes presentes na assembleia de Maceió, 186 votaram a favor do encerramento da greve, 3 foram contrários e 3 se abstiveram.

“É importante deixar claro que o encerramento da greve amanhã, 3 de julho, não significa o retorno imediato às aulas amanhã, porque nós precisamos debater o calendário acadêmico humanizado e aprová-lo no Conselho Universitário”, ressaltou o presidente da Adufal, Jailton Lira.

Apesar do fim da greve, ainda não há definição sobre a retomada das aulas. . Os alunos matriculados nos 84 cursos de graduação permanecem na incerteza do retorno às atividades, e o retardamento deverá afetar os períodos letivos deste ano, que só .devem ser concluídos em 2025.

A Adufal comunicou que a questão deverá ser definida ainda nesta semana. Serão realizadas reuniões para debater o retorno e a criação de um calendário acadêmico humanizado. A primeira reunião ocorre hoje, com a reitoria da Ufal. Para a próxima sexta-feira (5), está agendada uma sessão extraordinária do Conselho Universitário (Consuni).

A decisão dos docentes da Ufal acontece depois que o comando nacional da greve decidiu, no dia 26 de junho, encerrar as paralisações nas universidades federais de todo o País. Segundo o Sindicato Nacional dos Docentes das Instituições de Ensino Superior (Andes-SN), o comando nacional da greve decidiu terminar as paralisações após um acordo junto ao Ministério da Gestão e Inovação.

A proposta aceita pelos professores das federais prevê reajustes apenas em 2025 e 2026, com percentuais diferentes para cada classe profissional. O acordo proposto pelo governo ainda prevê a revogação de uma portaria, editada em 2020, que elevou a carga horária mínima semanal para professores.

Inicialmente, a categoria reivindicava reajuste de 7,06% neste ano, além dos 9% em 2025 e dos 5,16% no ano seguinte.

TÉCNICOS DA UFAL

Os técnicos administrativos da instituição já haviam decidido, em assembleia geral extraordinária de segunda-feira (1º), realizada pelo Sindicato dos Trabalhadores Universidade Federal de Alagoas (Sintufal), o fim da greve. Eles retornarão para as atividades no dia 8.

IFAL

Os servidores e professores do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Alagoas (Ifal) também decidiram acabar a paralisação ontem. Eles entraram em greve no dia 3 de abril. Após quase 90 dias, a categoria decidiu encerrar a paralisação e retomar as atividades a partir de 1º de julho. Em relação às aulas, o instituto informou que cada unidade terá autonomia para rediscutir seu próprio calendário acadêmico.

Mais matérias
desta edição