app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5715
Cidades

Servidores de Macei� fazem greve de advert�ncia por reajuste de 15%

Os servidores do município de Maceió fazem hoje uma paralisação de 24 horas para forçar a Prefeitura a atender a reivindicação de um reajuste salarial de 15% e o aumento do piso salarial da categoria de R$ 210,00 para R$ 230,00. Segundo o diretor de F

Por | Edição do dia 10/09/2002 - Matéria atualizada em 10/09/2002 às 00h00

Os servidores do município de Maceió fazem hoje uma paralisação de 24 horas para forçar a Prefeitura a atender a reivindicação de um reajuste salarial de 15% e o aumento do piso salarial da categoria de R$ 210,00 para R$ 230,00. Segundo o diretor de Formação Sindical do Sindipref, Marcos Antônio Alves, se não houver avanços na negociação, os servidores podem decidir ainda hoje pela deflagração de uma greve por tempo indeterminado. Ontem de manhã, diretores do sindicato percorreram os órgãos públicos municipais, fazendo panfletagem e convocando os servidores para um ato público hoje, com concentração a partir das 9 horas, na Praça Deodoro. “Do local sairemos em caminhada em direção à Secretaria de Finanças e em seguida à Prefeitura de Maceió, na Praça dos Martírios, onde teremos uma reunião com a prefeita Kátia Born”, informou Marcos Antônio. Ele adiantou que se a reunião com a prefeita não tiver o resultado esperado, será realizada uma assembléia na Praça dos Martírios para decidir pela deflagração da greve. Marcos Antônio ressaltou que há dois meses o Sindipref vem mantendo conversas com a prefeita Kátia Born, mas não houve avanços nas negociações. Os servidores municipais também reivindicam uma revisão do Plano de Cargos e Carreiras, com o estabelecimento de uma data-base para a categoria. Em uma tentativa de evitar a paralisação de hoje, a prefeita Kátia Born recebeu, ontem, uma comissão do Sindicato de Servidores, na qual ofereceu como contraproposta 5% de reajuste nos salários de setembro. De acordo com o secretário de Finanças, Maurício Toledo, a reivindicação dos servidores esbarra no orçamento da Prefeitura.

Mais matérias
desta edição