app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5750
Cidades

Greve de professor

Os professores da Escola Cenecista Brandão Lima paralisaram suas atividades, ontem de manhã, porque estão há seis meses sem receber salários. A paralisação deixou sem aulas cerca de 300 alunos da 4ª série do Ensino Fundamental ao 3º ano do Ensino Médio.

Por | Edição do dia 25/09/2002 - Matéria atualizada em 25/09/2002 às 00h00

Os professores da Escola Cenecista Brandão Lima paralisaram suas atividades, ontem de manhã, porque estão há seis meses sem receber salários. A paralisação deixou sem aulas cerca de 300 alunos da 4ª série do Ensino Fundamental ao 3º ano do Ensino Médio. De acordo com o presidente do Sindicato dos Professores das Escolas Particulares, Oberval Lima, já houve várias tentativas de negociação com a direção para o pagamento dos salários atrasados dos professores, mas sem sucesso. Na última segunda-feira, a direção da escola pagou apenas R$ 50,00 aos professores, como adiantamento do salário de março, e não deu sinalização de quando o restante será pago. Segundo Oberval, além dos salários atrasados, a direção da escola vem deixando de depositar o Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) dos professores e diminuiu o valor da hora/aula. Os professores denunciam que há um rodízio constante de profissionais na escola, causado pelo atraso dos salários. Por causa dessa situação, o quadro de professores da escola foi bastante reduzido e faltam professores para ensinar algumas disciplinas. Os alunos entendem a situação dos professores, mas afirmam que são os mais prejudicados com a paralisação. Os que mais se sentem prejudicados são os do 3º ano do Ensino Médio que se preparam para o Processo Seletivo Seriado da Universidade Federal de Alagoas.

Mais matérias
desta edição