app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5715
Cidades

Pedestres ignoram passarela constru�da pelo DNER na Ufal

A passarela construída pelo Departamento Nacional de Estradas de Rodagem (DNER) em frente à Cidade Universitária, na BR-104, está sendo ignorada pela maioria dos estudantes universitários e por pessoas que se dirigem ao Hospital Universitário. Inaugurad

Por | Edição do dia 22/02/2002 - Matéria atualizada em 22/02/2002 às 00h00

A passarela construída pelo Departamento Nacional de Estradas de Rodagem (DNER) em frente à Cidade Universitária, na BR-104, está sendo ignorada pela maioria dos estudantes universitários e por pessoas que se dirigem ao Hospital Universitário. Inaugurada no fim do ano passado, raras vezes a passarela é usada na travessia de uma das rodovias federais mais movimentadas da cidade. Os semáforos do local foram mantidos apenas para controle do tráfego de veículos, mas os estudantes preferem continuar fazendo a travessia da pista sem usar a passarela. Eles sequer levam em conta que todas as faixas de pedestres foram apagadas. Os estudantes alegam que é mais demorado atravessar a passarela, do que esperar que o semáforo feche. A dona de casa Maria José dos Santos, que tem um filho matriculado no Caic da Universidade Federal de Alagoas (Ufal), afirma que a travessia da passarela é muito longa e cansativa. “Só uso a passarela quando estou sem pressa”, comentou. Outros reclamam que a passarela ficou muito distante da entrada do Hospital Universitário, apesar de ter sido construída com duas descidas: uma em direção ao Campus e outra voltada para o hospital. “Se a gente vier com uma pessoa doente, é melhor descer no ponto de ônibus em frente ao hospital do que descer um ponto antes, ter que subir a passarela e caminhar um bocado para chegar até lá”, argumentou a comerciária Celina Ramos. A travessia em frente ao Hospital Universitário é ainda mais arriscada por que só há um semáforo, no sentido de saída da cidade. No sentido contrário, o tráfego de veículos é totalmente livre e a maioria circula em alta velocidade.

Mais matérias
desta edição