app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5718
Cidades

Oxig�nio da Santa M�nica vai passar por inspe��o

Técnicos da Sociedade Brasileira de Anestesistas virão a Alagoas para realizar uma inspeção na central de oxigênio da Maternidade Santa Mônica. A informação foi dada ontem pelo presidente do Conselho Regional de Medicina, Emanuel Fortes. O objetivo da in

Por | Edição do dia 28/09/2002 - Matéria atualizada em 28/09/2002 às 00h00

Técnicos da Sociedade Brasileira de Anestesistas virão a Alagoas para realizar uma inspeção na central de oxigênio da Maternidade Santa Mônica. A informação foi dada ontem pelo presidente do Conselho Regional de Medicina, Emanuel Fortes. O objetivo da inspeção é verificar se a instalação e funcionamento da central de oxigênio obedece aos critérios técnicos estabelecidos pela legislação médica. “Depois da fiscalização, será emitido um parecer por parte da entidade”, disse. Emanuel Fortes lembrou que o próprio Conselho Regional fez uma inspeção há cerca de dois anos, quando o oxigênio ainda era fornecido por uma empresa privada. “O nosso parecer foi favorável naquela ocasião, mas pode ter havido alguma mudança”, afirmou, acrescentando que a data da visita dos técnicos ainda não foi definida. O presidente do Cremal explicou que existe uma resolução do conselho federal que prevê que a instalação de central de oxigênio em unidades de saúde precisa passar por uma inspeção de entidade médica. Polêmica A polêmica sobre a instalação da central de oxigênio pela Santa Mônica começou quando a casa maternal deixou, no ano passado, de comprar o produto à fábrica Whitte Martins, que reclamou uma dívida contraída com a Fundação Universidade das Ciências da Saúde (Uncisal), que controla a maternidade pública. O débito divulgado pela empresa foi de mais de R$ 350 mil, valores corrigidos, enquanto que a Uncisal não passava dos R$ 200 mil. A questão ficou de ser resolvida através de uma reavaliação da dívida. A Whitte Martins passou a questionar a qualidade do produto fabricado pela central. Mas o próprio Conselho Regional de Medicina mostrou-se favorável à instalação de centrais em todos os hospitais.

Mais matérias
desta edição