app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5715
Cidades

Ibama muda sistema de fiscaliza��o

O Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais e Renováveis (Ibama) em Alagoas começou, neste mês, um novo sistema de fiscalização das regiões onde ainda existe mata atlântica no território alagoano através de sobrevôos. Antes, a fiscaliz

Por | Edição do dia 01/10/2002 - Matéria atualizada em 01/10/2002 às 00h00

O Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais e Renováveis (Ibama) em Alagoas começou, neste mês, um novo sistema de fiscalização das regiões onde ainda existe mata atlântica no território alagoano através de sobrevôos. Antes, a fiscalização da flora era feita apenas por meio de denúncias que chegavam na Divisão de Controle e Fiscalização do Instituto. O primeiro vôo realizado pela  fiscalização aconteceu em setembro  último, em uma área de cerca de 4  mil km2 do Litoral Norte e em Murici. Dezesseis pontos de desmatamento foram detectados na região. “Nós marcamos os pontos de desmatamento encontrados no Global Position System (GPS), que fornece o posicionamento específico, e, depois que terminamos o vôo, a equipe foi direto a um local de infração e fez a autuação em flagrante do crime ambiental”, esclareceu o chefe da Divisão de Controle e Fiscalização do Ibama em Alagoas, Walt Silva Sobrinho. Até agora, apenas um ponto foi autuado. As demais autuações estão sendo programadas para os próximos dias pela Divisão de Fiscalização. A vantagem da fiscalização aérea, além da visão detalhada do território, é a economia em relação ao sistema terrestre. O aluguel de uma aeronave para fazer o sobrevôo durante uma tarde custa pouco mais de R$ 200,00. Por terra, para cobrir a mesma área fiscalizada no vôo, o gasto seria de pelo menos R$ 30 mil e o trabalho levaria vários dias para ser concluído. Além disso, o número de infrações detectadas seria bem menor. A direção do Instituto também está solicitando à presidência nacional, o mapeamento da região via satélite. Em Brasília há um centro de sensoriamento remoto que capta as imagens geradas por satélite e as envia quinzenalmente às gerências executivas e projetos específicos.

Mais matérias
desta edição