app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5754
Cidades

Promotores pedem remunera��o integral pela atua��o nas elei��es

Os promotores de Justiça de Alagoas cobram do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) que remunere de forma integral o mês em que trabalharão como promotores eleitorais natural. Eles são contra a resolução do TSE que visa pagar apenas as diárias trabalhadas pel

Por | Edição do dia 02/10/2002 - Matéria atualizada em 02/10/2002 às 00h00

Os promotores de Justiça de Alagoas cobram do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) que remunere de forma integral o mês em que trabalharão como promotores eleitorais natural. Eles são contra a resolução do TSE que visa pagar apenas as diárias trabalhadas pela categoria nas próximas eleições. O presidente da Associação do Ministério Público de Alagoas (Ampal), Eduardo Tavares Mendes, está no Rio de Janeiro, onde tenta, juntamente com o presidente da Confederação Nacional do MP (Conamp), Marfan Martins Vieira, reverter a resolução do TSE. “Enviamos ofício ao procurador-geral da República, Geraldo Brindeiro, solicitando que o Ministério Público Federal interceda junto ao TSE para que a remuneração seja paga de forma integral, como acontecia em pleitos anteriores”, afirmou Eduardo Tavares. O presidente da Ampal esclarece, em seu ofício a Geraldo Brindeiro, que o deslocamento dos promotores acontecerá não apenas nos dias das eleições, mas sempre que for necessário o comparecimento de membros do MP a juntas e seções eleitorais. “A possibilidade de pagamento de mera diária tem deixado os membros do MP de todo o País preocupados, mesmo porque as atividades por eles exercidas não se restringem aos dias do pleito, estendendo-se ao, também, ao período de apuração, com todos os seus possíveis desdobramentos”, explicou. O procurador-geral de Justiça de Alagoas, Lean Araújo, também enviou ofício a Geraldo Brindeiro pedindo providências do MP Federal. “Esse remanejamento vai propiciar despesas além daquelas suportáveis por diárias suscitando até, possível humilhação, aos agentes ministeriais”, afirma Lean Araújo, em seu ofício enviado ao procurador-geral da República.

Mais matérias
desta edição