app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5758
Cidades

Descaso: mulher sofre sem assist�ncia m�dica

A dona de casa Célia Oliveira denunciou o estado de abandono em que se encontra sua vizinha, Maria Renilce da Silva, de 39 anos, acometida por câncer e tuberculose. Ela destacou que a ex-prestadora de serviço da Saúde está há quatro meses na cama, sem

Por | Edição do dia 13/10/2002 - Matéria atualizada em 13/10/2002 às 00h00

A dona de casa Célia Oliveira denunciou o estado de abandono em que se encontra sua vizinha, Maria Renilce da Silva, de 39 anos, acometida por câncer e tuberculose. Ela destacou que a ex-prestadora de serviço da Saúde está há quatro meses na cama, sem receber qualquer tipo de ajuda das entidades médicas do Estado. Célia Oliveira explicou que Maria Renilce, além de não ter nenhuma possibilidade de comprar medicamentos, não dispõe de qualquer alimentação em casa. “O marido a abandonou quando soube que ela estava doente”, enfatizou a dona de casa, acrescentando que, agora, Maria Renilce tem apenas duas filhas adolescentes para tomar conta dela. “Isso representa um perigo para a saúde das meninas”, considerou. Assistência “A Maria (Renilce) não consegue andar nem falar, sente muita dor e chora a noite inteira”, salientou Célia Oliveira, acrescentando que vê a hora de sua vizinha morrer à mingua. “Por isso venho cuidar dela, quando posso, e trago alguma coisa para ela e as filhas comerem”, disse. “Mas sinto que sozinha não sou nada, e decidi pedir ajuda à sociedade alagoana, já que não conseguimos nada nos hospitais públicos da Cidade”. De acordo com Célia Oliveira, Maria Renilce procurou assistência em alguns hospitais, mas os médicos disseram que ela não poderia ficar internada. “Eles argumentaram que ela correria o risco de pegar infecções, devido à sua fragilidade, e receitaram alguns medicamentos”, declarou a dona de casa, esclarecendo que diante da argumentação, o único jeito foi trazer Maria Renilce de volta. “Mas o remédio é muito caro, e sem atendimento médico ela não vai resistir muito tempo”, enfatizou. Os interessados em colaborar com Maria Renilce devem entrar em contato com Célia, pelo telefone 374-0645.

Mais matérias
desta edição