app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5756
Cidades

Feirantes da Jati�ca temem preju�zos se forem transferidos

Representantes dos mais de 120 feirantes que negociam frutas e verduras na tradicional Feirinha da Jatiúca, localizada na Rua Castelo Branco, afirmaram, ontem, que temem prejuízos e redução na clientela caso o poder público municipal decida transferi-

Por | Edição do dia 23/10/2002 - Matéria atualizada em 23/10/2002 às 00h00

Representantes dos mais de 120 feirantes que negociam frutas e verduras na tradicional Feirinha da Jatiúca, localizada na Rua Castelo Branco, afirmaram, ontem, que temem prejuízos e redução na clientela caso o poder público municipal decida transferi-los para uma área dotada de maior infra-estrutura. Para o feirante Raniel Rângelo, no local há mais de dois anos, os comerciantes só concordariam com mudança para espaço melhor organizado e no mesmo bairro. “Temos uma clientela cativa e não podemos perdê-la. Isso seria o fim de nossa sobrevivência”, ressalta. Originada há mais de duas décadas, a Feirinha da Jatiúca, nome pela qual ficou conhecida, reúne mais de 60 comerciantes que vendem, nos dias úteis, frutas e verduras em barracas montadas sobre as calçadas da referida rua. “O número de feirantes dobra no fim de semana e ultrapassa os 120”, afirma Raniel Rângelo, segundo o qual o local vem sendo bastante procurado, sobretudo pelo consumidor de maior poder aquisitivo, que busca alternativas para fugir aos preços elevados de estabelecimentos com maior infra-estrutura. Embora afirme que o local carece de infra-estrutura adequada à acomodação de barracas e concorde com uma mudança para outro local, ele diz que os mais de 120 comerciantes hoje em atividade no local só saem da Rua Castelo Branco se for para uma outra rua no bairro da Jatiúca. “A prefeitura ainda teria de fazer um trabalho de divulgação informando a população sobre o local para onde seríamos transferidos. Sem isso, corremos o risco de perder faturamento e, principalmente, a clientela conquistada ao longo de muitos anos”, conclui.

Mais matérias
desta edição