app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5756
Cidades

Concursados cobram admiss�o no munic�pio

Representantes dos concursados da ex-Cobel, hoje Superintendência Municipal de Limpeza Urbana (Slum), da Secretaria Municipal de Educação (Semed) e da Guarda Municipal compareceram, ontem pela manhã, à sessão ordinária do Poder Legislativo Municipal, par

Por | Edição do dia 23/10/2002 - Matéria atualizada em 23/10/2002 às 00h00

Representantes dos concursados da ex-Cobel, hoje Superintendência Municipal de Limpeza Urbana (Slum), da Secretaria Municipal de Educação (Semed) e da Guarda Municipal compareceram, ontem pela manhã, à sessão ordinária do Poder Legislativo Municipal, para protestar contra a não admissão dos mais de 1.500 aprovados nos respectivos concursos públicos realizados há dois anos e que ainda não foram contratados pela administração municipal. “Investimos tempo e dinheiro num concurso, pois havia expectativa de emprego mediante carência de pessoal. Decorridos quase dois anos, ninguém foi admitido e os concursos estão prestes a perder sua validade”, reclama Valmir Rodrigues, representante dos concursados que compareceram ao plenário da Câmara de Vereadores do Município. Eles pediram ainda apoio aos vereadores no sentido de cobrar da prefeita Kátia Born e de seus assessores a publicação, no Diário Oficial do Município, da prorrogação por mais dois anos do prazo de validade dos concursos. Segundo informou Valmir Rodrigues, o prazo de validade do concurso para a Guarda Municipal expira em dezembro próximo. A validade do concurso da antiga Cobel (hoje, Slum) acaba em janeiro de 2003. Dois meses depois, finda a validade do concurso da Secretaria Municipal de Educação. “Abriram-se os concursos sob alegação de carência de pessoal. A Prefeitura nunca contratou os aprovados. O mais grave é que estamos prestes a ver o sonho do emprego ir por água abaixo. Havia uma perspectiva de emprego que pode deixar de existir e vai prejudicar milhares de pessoas” ressalta Valmir Rodrigues. Terceirizados Ainda de acordo com o representante dos concursados, órgãos como a Superintendência Municipal de Limpeza Urbana (Slum) estão “repletos” de funcionários terceirizados em cargos que poderiam ser ocupados pelo pessoal concursado. “Na criação do concurso, havia carência de pessoal. A Prefeitura prefere pagar aos terceirizados, quando poderia admitir o pessoal que foi aprovado no concurso”, queixa-se Reinaldo Oliveira, um dos aprovados no concurso da Secretaria Municipal de Educação (Semed). Os aprovados nos concursos públicos da antiga Cobel, Semed e Guarda Municipal voltam a protestar contra a não admissão do pessoal aprovado na próxima quinta-feira, às 10 da manhã, na sede da Central Única dos Trabalhadores (CUT).

Mais matérias
desta edição