app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5715
Cidades

Botij�o de g�s sobe para R$ 29 nas revendas

A partir de hoje, o consumidor começa a pagar mais caro pelo gás de cozinha (GLP). Em média, o botijão de 13 kg está sendo vendido em Maceió – o reajuste começou a vigorar ontem à noite na cidade – por R$ 29, pelas distribuidoras para entrega nas residênc

Por | Edição do dia 06/11/2002 - Matéria atualizada em 06/11/2002 às 00h00

A partir de hoje, o consumidor começa a pagar mais caro pelo gás de cozinha (GLP). Em média, o botijão de 13 kg está sendo vendido em Maceió – o reajuste começou a vigorar ontem à noite na cidade – por R$ 29, pelas distribuidoras para entrega nas residências. Esse valor representa um aumento de 16% em relação aos preços que eram praticados (R$ 25). Para os revendedores, segundo informações da distribuidora Minas Gás, o valor do botijão foi fixado em R$ 28. Este é o mesmo preço informado pela Ultragaz. O reajuste já era esperado desde a segunda-feira, quando começou a vigorar o novo aumento nos preços dos combustíveis anunciados pela Petrobras na sexta-feira. Produto de maior consumo popular, o GLP, foi o que teve a maior alta. E os preços praticados em Maceió ainda podem subir nos próximos dias. Segundo um distribuidor, que pediu para não ser identificado, tudo vai depender do mercado. No Interior, o preço do gás pode ultrapassar os R$ 30 em alguns municípios. Sudeste Na Região Sudeste, as distribuidoras de gás de cozinha também reajustaram seus preços ontem. Em São Paulo, o aumento para o consumidor ficou acima da estimativa feita pela Petrobras na sexta-feira. Em algumas distribuidoras, o botijão de 13 quilos chegou a ser vendido nos pontos de revenda por R$ 27, registrando alta de 23%. Na média, o reajuste nos distribuidores de gás do Estado ficou em 17% e o valor, em R$ 25,48. “O percentual de aumento depende da política de cada distribuidor”, afirmou o supe-rintendente do Sindicato Nacional das Empresas Distribuidoras de Gás Liqüefeito de Petróleo (Sindigás), Agostinho Simões. Mas a Agência Nacional do Petróleo (ANP) já avisou que se houver abusos vai intervir novamente nos preços do gás, como ocorreu em agosto.

Mais matérias
desta edição