app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 0
Cidades

Campanha vai estimular uso do carro a g�s

A Alagoas Gás (Algás) inicia, no próximo domingo, uma campanha publicitária para esclarecer as vantagens do uso do gás natural como combustível para veículos. Com a campanha, que será deflagrada em vários meios de comunicação, a intenção é aumentar o núme

Por | Edição do dia 15/11/2002 - Matéria atualizada em 15/11/2002 às 00h00

A Alagoas Gás (Algás) inicia, no próximo domingo, uma campanha publicitária para esclarecer as vantagens do uso do gás natural como combustível para veículos. Com a campanha, que será deflagrada em vários meios de comunicação, a intenção é aumentar o número de conversão de veículos para gás natural. Segundo o diretor técnico da Algás, Antônio Carlos Dória, a empresa decidiu investir nessa estratégia porque o número de carros convertidos a gás natural nos últimos anos ficou abaixo da expectativa. Mas garantiu que seu lançamento, neste momento, nada tem a ver com a disparada do preço da gasolina. A Algás estima que hoje existam pouco mais de 4 mil carros convertidos à gás natural em Alagoas. Com a campanha, a empresa espera ampliar esse número, em apenas três meses, para cinco mil veículos. No país, existem atualmente 350 mil veículos convertidos a gás natural e até 2005 deverão ser mais de um milhão, com 1.200 postos espalhados por todo o Brasil. Segundo Dória, um dos motivos iniciais para o desinteresse em usar gás natural era a falta de postos de combustíveis. “Hoje já temos 10 postos, e estamos trabalhando para instalar um em Pilar e outro em São Miguel dos Campos, e chegar em Arapiraca até o próximo ano”, anunciou. Dória admite que o valor cobrado para a conversão dos veículos para gás natural é outro fator de desestímulo para o uso do combustível. Em média, o custo para conversão em oficinas autorizadas é de R$ 2.500. Os técnicos da Algás argumentam, no entanto, que o investimento é compensado com a economia na hora do abastecimento do veículo, que pode representar quase R$ 4 mil por ano.

Mais matérias
desta edição