app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5758
Cidades

Consultas m�dicas

Enquanto os foliões se esbaldavam na avenida do Maceió Fest, médicos, enfermeiros e auxiliares atendiam de 30 a 50 pessoas por noite nos dois postos médicos montados na área. A principal causa dos problemas de saúde apresentados foi o excesso de bebidas a

Por | Edição do dia 26/11/2002 - Matéria atualizada em 26/11/2002 às 00h00

Enquanto os foliões se esbaldavam na avenida do Maceió Fest, médicos, enfermeiros e auxiliares atendiam de 30 a 50 pessoas por noite nos dois postos médicos montados na área. A principal causa dos problemas de saúde apresentados foi o excesso de bebidas alcoólicas. Muita gente precisou ser socorrida e tomar soro glicosado por se encontrar em coma alcoólico. Escoriações ou ferimentos leves que necessitavam de suturas foi a segunda causa dos atendimentos. Os casos mais simples foram tratados ali mesmo e os mais graves encaminhados em Unidades de Terapia Intensiva Móveis (UTIs) para a Unidade de Emergência Armando Lajes. Segundo o médico plantonista da noite do sábado, Paulo César Cavalcante, muitas pessoas cometem excessos com a bebida, ficam prejudicadas, adoecem e acabam perdendo a festa. “Além do exagero no álcool, há indivíduos que se metem em brigas: se ferem ou ferem os outros, se cortam ou caem e se machucam”, explicou o médico. Trânsito O Detran/Al registrou 32 acidentes de trânsito durante os quatro dias do Maceió Fest, número considerado baixo pelo órgão, em relação aos anos anteriores. O trânsito foi considerado tranqüilo. Os acidentes mais comuns foram colisões e abalroamentos. Entre as causas apontadas, desatenção e embriaguez. “Este ano, tivemos um evento tranqüilo no que diz respeito ao quesito trânsito. Vale destacar o trabalho do BPTRAN, antes e durante o evento, conscientizando o folião a deixar o carro em casa e ir de táxi ou passar a chave, caso fosse beber”, dizJosé Brandão diretor-geral do órgão.

Mais matérias
desta edição