app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5735
Cidades

Prefeitura de Batalha � multada em R$ 250 mil por matadouro

A Fiscalização Preventiva Integrada (FPI) do São Francisco encontrou várias irregularidades durante inspeção realizada ontem no matadouro do município de Batalha, Sertão de Alagoas. Animais abatidos em desacordo com as normas de higiene sanitária, ambient

Por | Edição do dia 23/05/2015 - Matéria atualizada em 23/05/2015 às 00h00

A Fiscalização Preventiva Integrada (FPI) do São Francisco encontrou várias irregularidades durante inspeção realizada ontem no matadouro do município de Batalha, Sertão de Alagoas. Animais abatidos em desacordo com as normas de higiene sanitária, ambiente insalubre em função de materiais perfuro-cortantes, vísceras tratadas no chão do estabelecimento foi o cenário encontrado pelos fiscais. Por causa disso, a assessoria do Ministério Público Estadual (MPE) informou que o matadouro foi interditado e a Prefeitura de Batalha multada em quase R$ 250 mil. Toda a carne foi apreendida. A primeira ilegalidade constatada foi na sala da triparia. Antes de subirem para a lavagem numa mesa de inox, as vísceras dos bois estavam espalhadas pelo chão, permitindo sua contaminação com diferentes tipos de bactérias. Na sequência, constatou-se que os animais não passavam pelo banho com água hiperclorada, uma exigência para diminuir a quantidade de microorganismos patogênicos existentes nos bovinos. De acordo com a Agência de Defesa e Inspeção Agropecuária de Alagoas (Adeal), o matadouro também não tem programa de controle de qualidade da água e de saúde do trabalhador, não possui sala de necropsia, assim como não tem forno crematório. Esses dois últimos, destinados para os bois que chegarem já doentes. Inclusive, não havia um responsável técnico, que é um médico-veterinário, para realizar a inspeção pós-mortem dos animais ali abatidos. A FPI encontrou mais ilicitudes durante a visita ao estabelecimento. O curral onde estavam 27 bois esperando para o abate também estava irregular. Pelas normas sanitárias, ele teria que ter sido construído a pelo menos 80 metros do local onde os bovinos são abatidos. E as infrações não param por aí. O matadouro não possui câmaras de resfriamento e congelamento e o transporte da carne era feito em temperatura ambiente, longe de ser mantida nos 7° graus, medida exigida em lei.

Mais matérias
desta edição