app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5735
Cidades

Obra causa transtornos a moradores e comerciantes

A obra que está sendo realizada na Avenida Júlio Marques Luz, no bairro da Jatiúca, parte baixa da capital, está provocando transtornos para moradores e comerciantes da região. Isso porque, segundo os populares, o acesso às lojas e a algumas casas está te

Por | Edição do dia 23/05/2015 - Matéria atualizada em 23/05/2015 às 00h00

A obra que está sendo realizada na Avenida Júlio Marques Luz, no bairro da Jatiúca, parte baixa da capital, está provocando transtornos para moradores e comerciantes da região. Isso porque, segundo os populares, o acesso às lojas e a algumas casas está temporariamente comprometido devido às atividades de esgotamento sanitário de um trecho da via. De acordo com a Superintendência Municipal de Transportes e Trânsito (SMTT), a interdição total da avenida vai durar cerca de 15 dias. No entanto, com a situação, os comerciantes da área relatam que a interdição já está causando prejuízos. “A situação econômica que estamos vivendo já não é das melhores. Imagina agora como vai ficar a situação de quem trabalha por aqui? Nossas vendas caíram em torno de 60% com esse trabalho que está sendo executado”, revela o comerciante Daniel Padilha. Além da impossibilidade do tráfego de veículos, os consumidores que passam pela via precisam driblar as máquinas e os buracos existentes no local. O gerente de uma loja de roupas reclama da queda no movimento. “Quem é que vai parar em uma loja que está localizada bem em frente a uma obra?”, questiona o lojista José Augusto. Sem asfalto e com a chuva, a rua ainda ficou com lama. “Isso parece construção de estrada rural em uma das vias mais importantes da cidade”, reclamou. Outra reclamação dos comerciantes é que não houve nenhum aviso acerca da interdição da avenida. “Nós não fomos nem avisados sobre essa obra. Chegaram e simplesmente bloquearam tudo. Trabalho aqui há 20 anos e acho isso uma falta de respeito com todos os moradores e comerciantes da região. O engraçado disso tudo é que pagamos os nossos impostos, mas não recebemos muita coisa em troca. O que era para ser algo bom, infelizmente, está gerando inúmeros transtornos”, conta Daniel Padilha. * Sob supervisão da editoria de Cidades.

Mais matérias
desta edição