app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5735
Cidades

Professores paralisar�o atividades

Em assembleia geral com a presença de 179 professores, a Associação dos Docentes da Ufal (Adufal), entidade vinculada ao Sindicato Nacional das Instituições de Ensino Superior (Andes), decidiu, ontem, suspender as aulas na Universidade Federal de Alagoas

Por | Edição do dia 26/05/2015 - Matéria atualizada em 26/05/2015 às 00h00

Em assembleia geral com a presença de 179 professores, a Associação dos Docentes da Ufal (Adufal), entidade vinculada ao Sindicato Nacional das Instituições de Ensino Superior (Andes), decidiu, ontem, suspender as aulas na Universidade Federal de Alagoas (Ufal), por tempo indeterminado. Do total de presentes, 119 votaram pela greve, 47 contra e dois se abstiveram. Numa segunda votação, para decidir sobre a data do início da paralisação, a Adufal registrou 97 votos para a proposta de greve a partir da quinta-feira, 28. Foram 50 votos contra e sete abstenções. A decisão não foi unânime, gerando insatisfação de alunos e professores. A reestruturação da carreira, a valorização salarial de ativos e aposentados, o caráter público da universidade, melhores condições de trabalho e a garantia de autonomia para as universidades são reivindicações da Adufal. Segundo o presidente da entidade, professor Márcio Barboza, entregues ao governo desde março último, as reivindicações dos professores estão até agora sem resposta. Ele lembrou que desde a última greve, em 2012, os professores das universidades públicas reivindicam a reestruturação da carreira. “Naquela ocasião, o governo apresentou tabelas e mais tabelas, que na prática resultaram no aprofundamento da desestruturação da carreira e, por isso, nosso sindicato nacional não assinou o acordo proposto”, argumentou Barboza. Por meio da assessoria da Adufal, ele lembrou que em abril de 2014 o governo interrompeu as negociações com a Andes, desrespeitando acordo assinado pelo representante do Ministério da Educação, na época, Paulo Speller, que chegou a assinar documento de concordância com parte das reivindicações.

Mais matérias
desta edição