app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5735
Cidades

M�e de santo � alvo de racismo

A mãe de santo alagoana Neide Oyá D’Oxum moverá um processo judicial e acionará a Promotoria de Direitos Humanos do Ministério Público Estadual (MPE) contra os crimes raciais e de intolerância religiosa que vem sofrendo desde o comentário da ex-namorada d

Por | Edição do dia 27/05/2015 - Matéria atualizada em 27/05/2015 às 00h00

A mãe de santo alagoana Neide Oyá D’Oxum moverá um processo judicial e acionará a Promotoria de Direitos Humanos do Ministério Público Estadual (MPE) contra os crimes raciais e de intolerância religiosa que vem sofrendo desde o comentário da ex-namorada do ator Henri Castelli, Juliana Despírito, feito em uma rede social, no início do mês. Os advogados de defesa, Walkyria Carvalho e Nilton Pereira, reuniram a imprensa na tarde de ontem para uma entrevista coletiva, na sede do Grupo União Espírita Santa Bárbara, no bairro Village Campestre, parte de alta de Maceió. “Realizamos o Boletim de Ocorrência e até agora já colhemos mais de quarenta páginas de comentários racistas e preconceituosos feitos em sites e redes sociais que repercutiram o caso. Intolerância religiosa é crime, tendo em vista que vivemos em País laico”, esclareceu Walkyria. O ator global publicou na internet uma imagem da religiosa, em que a mãe Neide está com a filha do artista nos braços, vestida com trajes típicos da religião de matriz africana. O ato foi uma homenagem de Henri, em razão da comemoração do Dia das Mães. Incomodada com a foto, a ex-namorada do ator e mãe da menina desaprovou a atitude dizendo que a filha “seria um presente de Deus” e não pertenceria “a nenhum espírito que não seja o Espírito Santo de Deus!”. “Me senti violada, humilhada. Foi uma grave ofensa não só a mim, mas a todas as pessoas de religião africana”, esclareceu mãe Neide, que é considerada Patrimônio Vivo do Estado de Alagoas e há 25 anos atua em defesa da comunidade negra e das religiões de matriz africana. “Decidi fazer o Boletim de Ocorrência porque não quero que mais pessoas enfrentem essa situação. Não tenho nada contra a moça, mas ela ofendeu a fé de muita gente”, completa. * Sob supervisão da editoria de Cidades.

Mais matérias
desta edição