app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5735
Cidades

Especialistas divergem sobre o assunto

“Se tem uma coisa que precisamos discutir é o tratamento dado ao usuário de drogas. Ele não pode e nem deve ser preso como traficante”. Esse é o principal argumento defendido pelo diretor-executivo do Viva Rio (organização que trabalha com pesquisas e pol

Por | Edição do dia 12/07/2015 - Matéria atualizada em 12/07/2015 às 00h00

“Se tem uma coisa que precisamos discutir é o tratamento dado ao usuário de drogas. Ele não pode e nem deve ser preso como traficante”. Esse é o principal argumento defendido pelo diretor-executivo do Viva Rio (organização que trabalha com pesquisas e políticas públicas voltadas para a promoção da inclusão social) e antropólogo Rubem César Fernandes, em entrevista à Gazeta de Alagoas. O antropólogo explicou à reportagem que esta nova maneira pela qual o Supremo Tribunal Federal (STF) está abordando a temática da descriminalização poderá funcionar como parâmetro para se começar a trabalhar o tema, uma vez que ainda não é possível falar com liberdade sobre o assunto. “A verdade é que o sistema prisional vigente no País ainda não sabe tratar com seriedade o tema. Infelizmente, ainda presenciamos uma mentalidade de que, se a pessoa viciada é próxima a mim, ela deve ter todo o cuidado possível. No entanto, se for desconhecida, ela deve ir para a cadeia”. Para Rubem, a legislação não ajuda a resolver o desafio do uso de substâncias ilícitas e essa ideia tem sido constatada por inúmeras pesquisas. * Sob supervisão da editoria de Cidades.

Mais matérias
desta edição