app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5729
Cidades

Preconceito contra religiosidade pode ser iniciado na fam�lia

A liberdade religiosa impera tanto no que diz respeito ao direito na escolha de determinada tradição religiosa quanto na opção de não proferir religião alguma. Apesar de vivermos em um Estado laico, imparcial em relação às religiões, mas que assegura a pl

Por | Edição do dia 12/07/2015 - Matéria atualizada em 12/07/2015 às 00h00

A liberdade religiosa impera tanto no que diz respeito ao direito na escolha de determinada tradição religiosa quanto na opção de não proferir religião alguma. Apesar de vivermos em um Estado laico, imparcial em relação às religiões, mas que assegura a pluralidade religiosa, assim como os fiéis das religiões de matriz africana contam os relatos de perseguição, entre os evangélicos as histórias de preconceito e intolerância são antigas. Para o pastor da Primeira Igreja Batista (PIB) de Maceió, Tércio Ribeiro, o preconceito é combustível para a prática da intolerância religiosa. “Acredito que de maneira específica, no Nordeste, temos uma cultura de intolerância religiosa. Hoje o clima é mais pacífico, mas o evangélico já foi chamado de inimigo da mãe de Deus, já houve debate entre pároco e pastor em praça pública, a tentativa de impedir a realização dos cultos, com barulho ou fechando rua”, relatou o pastor. Discriminar uma pessoa que não conhecemos porque elas pregam uma religião diferente da nossa ou por terem convicções diferentes é desrespeitar o direito do ser humano de ser o que é. Viver em meio à diversidade religiosa requer um aprendizado para uma convivência respeitosa. A prova disso está na história da PIB, que teve como primeiro pastor um ex-padre. “Temos que aprender a viver na pluralidade. Eu não preciso concordar, abraçar outra doutrina, mas eu tenho o dever de respeitar. A liberdade de expressão é uma corrente forte na denominação Batista e precisamos fazer isso valer. Eu creio que a intolerância religiosa, na verdade, é um monstro que foi alimentado quando era pequeno, e a única forma de combater é na base, na família”, afirmou Tércio Ribeiro, pastor da PIB há 17 anos.

Mais matérias
desta edição