app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5729
Cidades

Popula��o protesta contra fechamento de posto de sa�de

A população do Vale do Reginaldo, na periferia de Maceió, que buscou o atendimento médico ontem, encontrou o único posto de saúde do bairro de portas fechadas. Consultas, exames e demais procedimentos foram suspensos, sob justificativa de que a unidade p

Por | Edição do dia 01/08/2015 - Matéria atualizada em 01/08/2015 às 00h00

A população do Vale do Reginaldo, na periferia de Maceió, que buscou o atendimento médico ontem, encontrou o único posto de saúde do bairro de portas fechadas. Consultas, exames e demais procedimentos foram suspensos, sob justificativa de que a unidade passaria por uma limpeza. A região conta com uma população de aproximadamente treze mil habitantes, em sua maioria de baixa renda. Segundo denúncia dos moradores, o serviço de atendimento é feito somente por enfermeiros. “Não há médicos para atendimento, somente enfermeiros e técnicos. O serviço odontológico foi suspenso há meses sob a alegação de falta de materiais. O horário de atendimento também é bem limitado, funcionando somente até as duas da tarde”, relata Marco Antônio Silva, morador da vila há dez anos. Carlos Eduardo Flor, fundador da ONG CECESC (Centro de Cidadania, Esporte, Saúde e Cultura), que atua na comunidade do vale há mais de um ano, revela que o serviço do Cora (Complexo Regular de Assistência) também foi suspenso. SEM ESPECIALISTA “O Cora não está realizando o agendamento de consultas com médicos especialistas. Quando há atendimento médico, é feito somente por clínicos gerais. Muitas pessoas precisam de tratamento específico com especialistas como cardiologistas, pediatras, obstetras e não conseguiram sequer agendar uma consulta”. Os problemas na unidade de saúde são inúmeros. Ainda segundo Carlos, a equipe que presta atendimento na unidade é insuficiente. * Sob supervisão da editoria de Cidades.

Mais matérias
desta edição