app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5730
Cidades

Atacad�o reabre ap�s acordo

Depois de ter as portas fechadas na manhã de terça-feira, 18, por determinação da Secretaria Municipal de Proteção ao Meio Ambiente (Sempma), a direção do supermercado Atacadão, no bairro do Tabuleiro do Martins, terá agora que reembolsar o município em n

Por | Edição do dia 20/08/2015 - Matéria atualizada em 20/08/2015 às 00h00

Depois de ter as portas fechadas na manhã de terça-feira, 18, por determinação da Secretaria Municipal de Proteção ao Meio Ambiente (Sempma), a direção do supermercado Atacadão, no bairro do Tabuleiro do Martins, terá agora que reembolsar o município em nada mais, nada menos do que R$ 400 mil. O dinheiro não vai para o “cofre” da prefeitura, mas será aplicado em ações voltadas ao meio ambiente. Isso só será possível graças à assinatura de um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC), que estabelece destinação de recursos em investimentos, por parte da empresa, em ações ambientais mitigadoras, que passam pela recuperação dos danos causados à natureza por uma lagoa existente nos fundos do supermercado, que acabou se tornando um depósito de dejetos e lama. Com a assinatura do TAC, o supermercado foi reaberto ontem. Já a unidade do supermercado GBarbosa continuava fechada, uma vez que a direção não havia assinado até ontem o TAC. Os dois casos foram encaminhados para o Ministério Público Estadual (MPE), que dará sequência na esfera administrativo-judicial. Quanto aos recursos do Atacadão, o secretário municipal do Meio Ambiente, Davi Maia, afirma que serão investidos na compra de dois jet skis, que vão ajudar na fiscalização da orla costeira lagunar, na compra de 44 bombas hidráulicas industriais usada no projeto para eliminação das “línguas sujas” da orla de Maceió, no tratamento bioquímico das árvores do canteiro que vai da Praça do Centenário até a Avenida Durval de Góes Monteiro, nas imediações da Polícia Rodoviária Federal. “As árvores estão cheias de fungos, cupins, um problema fitossanitário. Vamos utilizar o dinheiro para resolver também esse problema”, afirma o secretário Davi Maia.

Mais matérias
desta edição