app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5729
Cidades

Alagoanos est�o acima do peso

Mais da metade dos alagoanos estão acima do peso. A constatação é resultado da terceira edição da Pesquisa Nacional de Saúde (PNS) divulgada ontem pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Segundo o órgão, 55,5% da população alagoana es

Por | Edição do dia 22/08/2015 - Matéria atualizada em 22/08/2015 às 00h00

Mais da metade dos alagoanos estão acima do peso. A constatação é resultado da terceira edição da Pesquisa Nacional de Saúde (PNS) divulgada ontem pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Segundo o órgão, 55,5% da população alagoana está com sobrepeso. Em todo o Brasil, mais de 82 milhões de pessoas estão acima do peso ideal, representando 56,9% dos cidadãos. As informações foram coletadas com homens e mulheres maiores de idade em todos os estados no ano de 2013. Os índices relativos a indivíduos considerados obesos também é preocupante, classificando 20% da população alagoana nessa situação. Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), o parâmetro para considerar alguém como obeso ou com sobrepeso é a análise de Índice de Massa Corporal (IMC). Ele é calculado dividindo-se o peso do paciente pela sua altura elevada ao quadrado. Caso o resultado desse cálculo esteja acima de trinta, o indivíduo é considerado obeso. A obesidade é fator de risco para uma série de doenças, como hipertensão, diabetes e câncer. A nutricionista da Secretaria de Estado da Saúde (Sesau), Cibele Araújo, ressalta a importância da educação alimentar. “O trabalho já começa no pré-natal da mulher, quando orientamos a regulação nutricional para o bom desenvolvimento do bebê. Esse comportamento leva a uma vida saudável, evitando o problema do sobrepeso e posterior obesidade”. Ainda segundo a nutricionista, esse alto índice se deve à mudança de comportamento da sociedade. “O ritmo de vida acelerado leva ao sedentarismo, influenciando diretamente na saúde das pessoas. A atividade física diária é de importância extrema para a qualidade de vida”, ressalta Cibele. * Sob supervisão da editoria de Cidades.

Mais matérias
desta edição