app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5729
Cidades

Poucas escolas retomam aulas

Após 54 dias de greve dos trabalhadores da Educação, encerrada na última terça-feira, poucas escolas voltaram às aulas ontem. A maioria dedicou o dia à limpeza e à arrumação para receber alunos e professores a partir desta quinta-feira. No Cepa, maior com

Por | Edição do dia 10/09/2015 - Matéria atualizada em 10/09/2015 às 00h00

Após 54 dias de greve dos trabalhadores da Educação, encerrada na última terça-feira, poucas escolas voltaram às aulas ontem. A maioria dedicou o dia à limpeza e à arrumação para receber alunos e professores a partir desta quinta-feira. No Cepa, maior complexo educacional do Estado, apenas duas ou três escolas funcionaram, e, mesmo assim, com poucos estudantes. Aluna do 9º ano, Wintnem Silva Teixeira foi avisada pelo diretor, por meio de um grupo nas redes sociais: ‘A greve acabou. Todos à escola nesta quarta-feira’. Depois de quase dois meses, passou a manhã de ontem estudando. As primas Graziella, aluna do 6º ano, e Westen, do 5º ano, que fazem com ela o caminho entre a casa e a escola, não tiveram a mesma sorte. Sem aviso, e ansiosas para reencontrar a turma e voltar a estudar, saíram de casa cedo para o colégio. “Não teve aula. Estava com muita saudade da turma e dos professores”, disse Westen, decepcionada. “Nem o transporte escolar que traz a gente da Avenida Rotary veio hoje. Viemos em ônibus de linha, pensando que ia ter aula”, lamentou Graziella. Na Escola Virgínio de Campos, na Ponta Verde, as aulas começaram mesmo para valer. “Alguns alunos faltaram, mas estamos tendo aulas normalmente. Preparamos a escola desde ontem, quando foi decidido o final da greve”, contou a secretária escolar. Para a Secretaria de Estado da Educação (Seduc) e o Sindicato dos Trabalhadores da Educação (Sinteal), é natural que o primeiro dia pós-greve tenha sido dedicado a reorganizar algumas escolas que estiveram fechadas durante quase dois meses. “A greve acabou na terça-feira. Não tinha gente trabalhando em algumas escolas. Precisava limpar, arrumar”, justifica Maria Consuelo, presidente do Sinteal.

Mais matérias
desta edição