app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5731
Cidades

Aedes aegypti infesta 70% dos munic�pios de AL

A Secretaria de Estado da Saúde (Sesau) anunciou, ontem, os recursos tecnológicos que serão usados na luta contra o Aedes aegypti, mosquito transmissor da dengue, da zika e da chikungunya. Apresentado pela secretária estadual de Saúde, Rozangela Wyszomirs

Por | Edição do dia 01/03/2016 - Matéria atualizada em 01/03/2016 às 00h00

A Secretaria de Estado da Saúde (Sesau) anunciou, ontem, os recursos tecnológicos que serão usados na luta contra o Aedes aegypti, mosquito transmissor da dengue, da zika e da chikungunya. Apresentado pela secretária estadual de Saúde, Rozangela Wyszomirska, o aplicativo “Juntos pela Saúde” permitirá ao cidadão denunciar os focos do mosquito. Além de contar com o apoio da população, a Sesau também realizará um monitoramento de possíveis focos, usando drones. O aplicativo estabelece um canal de comunicação entre o cidadão e a gestão pública. A ferramenta é fácil de ser usada e foi desenvolvida por meio de uma cooperação técnica entre a Sesau e a empresa alagoana Rastru. “A ideia do aplicativo é trabalhar a redução de risco à saúde. A população ganhou uma ferramenta para denunciar os focos de mosquito. O aplicativo já está disponível, gratuitamente, para os smartphones de sistema operacional Android e nos próximos 15 dias deve ser liberado para a versão iOS”, disse José Alencar, um dos desenvolvedores do aplicativo. Feito o download, o aplicativo Juntos pela Saúde é de fácil manejo. É preciso ativar o GPS, clicar primeiro no botão “quero denunciar” e depois em “foco de mosquito”. Em seguida, o usuário vai selecionar uma das seis categorias para descrever a denúncia. A ferramenta oferece as classificações de: Recipiente com água parada; lixo ou entulho a céu aberto; esgoto a céu aberto; imóveis fechados ou abandonados; terrenos baldios e outros focos. Após a confirmação do endereço, o usuário pode acrescentar informações como a descrição sucinta do foco encontrado, incluir data e hora, além de produzir fotografia ou vídeo na hora, ou anexar o material já existente no celular. Concluído o processo, a ferramenta informa o número do protocolo gerado pela denúncia. As denúncias serão direcionadas à Sesau e às secretarias municipais de Saúde, que encaminharão agentes de endemias para averiguar o local e apurar o registro. Isso também permitirá o planejamento de políticas públicas para combater o vetor que transmite a dengue, o zika e a chikungunya.

Mais matérias
desta edição