app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5736
Cidades

Equipe vistoria obras inacabadas

A força-tarefa criada para acabar com possíveis focos do mosquito Aedes aegypti, transmissor da dengue, do zika vírus e da chikungunya, em imóveis cuja construção ainda não foi concluída iniciou, ontem, os trabalhos. Equipes das secretarias de Saúde estad

Por | Edição do dia 03/03/2016 - Matéria atualizada em 03/03/2016 às 00h00

A força-tarefa criada para acabar com possíveis focos do mosquito Aedes aegypti, transmissor da dengue, do zika vírus e da chikungunya, em imóveis cuja construção ainda não foi concluída iniciou, ontem, os trabalhos. Equipes das secretarias de Saúde estadual e municipal, da Defesa Civil, da Superintendência de Limpeza Urbana de Maceió (Slum), do Corpo de Bombeiros e da Polícia Militar inspecionaram o primeiro prédio inacabado, situado no bairro de Cruz das Almas. Estima-se que 180 imóveis cujas obras estão inacabadas são pontos fortes de proliferação do mosquito. De acordo com o gerente técnico do Programa de Controle da Dengue da Secretaria Municipal de Saúde (SMS) da capital, Manoel Gomes, este é um novo momento de combate ao Aedes. “O objetivo, desde sempre, é acabar com os focos do mosquito. O nosso índice de infestação predial está alto. Maceió tem muito mosquito, muita gente está adoecendo. Esses prédios desabitados são os maiores causadores. É onde se encontra um grande número de depósitos para o mosquito nascer, verdadeiros criadouros”, disse. Conforme o gerente, as construções abandonadas estão espalhadas, principalmente, na parte baixa da cidade, nos bairros da Ponta Verde, Jatiúca, Cruz das Almas. Na parte alta, os bairros do Farol e Gruta de Lourdes, coincidentemente, também são localidades em que há muitas obras inacabadas e onde são contabilizados mais casos de doenças. “Como estamos visitando as casas e fazendo o nosso trabalho, o mosquito da dengue foge e fica em locais mais propensos à sua proliferação. Como aqui, que tem muito lixo, copo, garrafas, pneus, qualquer chuva que cair, o mosquito aparece”, destacou Manoel Gomes, durante visita à edificação em Cruz das Almas.

Mais matérias
desta edição