app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5718
Cidades

Bebedouro discute combate � dengue

Cerca de 300 integrantes do Clube da 3ª Idade lotaram o Park da Lagoa, ontem, no bairro do Bebedouro, onde aconteceu a primeira reunião comunitária para esclarecimento sobre a dengue. O secretário da Saúde do Estado, Álvaro Machado, participou do evento

Por | Edição do dia 08/03/2002 - Matéria atualizada em 08/03/2002 às 00h00

Cerca de 300 integrantes do Clube da 3ª Idade lotaram o Park da Lagoa, ontem, no bairro do Bebedouro, onde aconteceu a primeira reunião comunitária para esclarecimento sobre a dengue. O secretário da Saúde do Estado, Álvaro Machado, participou do evento com técnicos da Sesau e da Secretaria Municipal de Saúde e de vários outros órgãos municipais. “Não podemos ficar de braços cruzados neste momento. A ação conjunta entre os governos estaduais e municipais e a sociedade civil organizada é fundamental para vencermos a batalha contra o mosquito da dengue” - explicou o secretário Álvaro Machado, frisando que o próximo dia 16 será o Dia Estadual de Combate à Dengue e haverá uma grande mobilização contra o inseto transmissor da dengue. O secretário fez palestra sobre a doença e respondeu a dezenas de perguntas, tirando dúvidas das donas de casa sobre como combater o mosquito e proceder diante dos sintomas. Ele enfatizou que ainda não houve um caso sequer de dengue hemorrágica, mas foram notificados quase 600 casos de dengue clássica. “Assim que soube da reunião para o mutirão contra a dengue, não pensei duas vezes. Estou aqui para tirar dúvidas e participar do trabalho. Meu medo é grande de ficar doente” - afirmou Ana Lindina, que também faz parte do grupo da Terceira Idade. Segundo ela, em sua casa nenhum depósito de água fica descoberto. A partir de amanhã, terá início um trabalho de limpeza por todo o bairro do Bebedouro. Segundo dados da Secretaria Municipal de Saúde, a infestação do mosquito em Bebedouro já chega a 3%. O percentual aceitável pela Organização Mundial de Saúde (OMS) é 1,5%.

Mais matérias
desta edição