app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5710
Cidades

Sem legalizar terras junto ao Incra, posseiros recorrem ao usucapi�o

Os posseiros que estavam acampados no centro de Maceió, em frente à sede do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra), voltam hoje para União dos Palmares. Eles disseram que vão recorrer à Lei do Usucapião para regularizar a situação das

Por | Edição do dia 26/03/2002 - Matéria atualizada em 26/03/2002 às 00h00

Os posseiros que estavam acampados no centro de Maceió, em frente à sede do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra), voltam hoje para União dos Palmares. Eles disseram que vão recorrer à Lei do Usucapião para regularizar a situação das terras onde moram, já que não houve consenso para que o Incra regularize a situação. Na reunião que eles tiveram com o superintendente do órgão, José Quixabeira, ontem, eles foram orientados a esperar o trâmite do processo de venda das terras, na forma de título da dívida agrária, mas a pessoa interessada na aquisição do imóvel se recusa a pagar o valor avaliado pelo Incra. “Tem uma pessoa querendo pagar pelas terras, para que a gente desocupe a área. Mas só quer pagar as benfeitorias que nós fizemos lá. Se recusa a pagar o custo da fazenda. Desde que seja pago o valor justo, a gente sai, do contrário continuamos lá e vamos lutar até o fim”, disse Severino da Silva, integrante da Comissão Pastoral da Terra. Ele explicou que hoje mesmo os posseiros vão procurar um advogado. “Todo mundo mora lá há décadas. Temos como provar isto, inclusive tudo que tem plantado na área é fruto do nosso trabalho”, completou Manuel Feliciano, frisando que a antiga proprietária das terras (Fazenda Belo Horizonte, São José, São João e Sítio Gordo) vendeu tudo mesmo ciente da presença antiga dos posseiros no imóvel. “O novo dono está ameaçando expulsar a gente e isso é injusto. As terras eram improdutivas e abandonadas. Nossos pais chegaram lá, cultivaram plantações e nós crescemos ali. A venda foi feita de forma ilegal. Vamos lutar por nossos direitos”, concluíram os posseiros.

Mais matérias
desta edição