app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5714
Cidades

Diagn�stico sobre favela norteia a��es de secretaria

Um diagnóstico socioeconômico das famílias moradoras do lixão de Mangabeiras vai nortear os projetos da Secretaria Municipal de Coordenação das Regiões Administrativas naquela área. De acordo com o secretário Marcos Alves, trabalhos como esse são fundamen

Por | Edição do dia 26/03/2002 - Matéria atualizada em 26/03/2002 às 00h00

Um diagnóstico socioeconômico das famílias moradoras do lixão de Mangabeiras vai nortear os projetos da Secretaria Municipal de Coordenação das Regiões Administrativas naquela área. De acordo com o secretário Marcos Alves, trabalhos como esse são fundamentais para que as ações atendam aos interesses da comunidade. O trabalho já foi apresentado à secretaria, mas só será oficialmente entregue dentro de 15 dias. “Foi uma iniciativa de uma aluna de Serviço Social da Universidade Federal de Alagoas, com a orientação do professor Cícero Péricles e que coincide com os nossos propósitos”, declarou o secretário, que pretende realizar pesquisa parecida em outros pontos da cidade. “As favelas têm características diferentes e vivem em permanentes alterações. A realidade hoje não é a mesma daqui há 15 dias. Muitas famílias chegaram, outras venderam seus barracos, temos que ser rápidos nesses estudos. Essa constante mobilidade já nos foi revelada por uma pesquisa realizada pela Secretaria Municipal de Cidadania e Assistência Social”, informou o secretário. No que se refere à venda das moradias, Marcos Alves destacou uma situação encontrada pelos pesquisadores que traduz bem o perfil do morador de favela. “Um dos barracos, além de anunciar a venda em uma placa na parede, completava com a frase Aqui tem PSF, para despertar o interesse pela moradia. Para muitos ter o Programa de Saúde da Família é uma vantagem que valoriza o lugar onde moram”, comentou. “Esse diagnóstico permitirá melhor atendimento, baseado no que o morador quer. Não adianta iluminarmos uma favela, se a população do local tem outra prioridade”, justificou ainda Marcos Alves.

Mais matérias
desta edição