app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5715
Cidades

Registro do tipo hemorr�gico em Ponta Verde � sinal de alerta

A confirmação de dois casos de dengue hemorrágica no bairro de Ponta Verde, área nobre de Maceió, é um alerta para o comportamento epidemiológico da doença, causada pelo Aedes aegypti: o mosquito está presente em qualquer lugar onde se acumula água parada

Por | Edição do dia 03/04/2002 - Matéria atualizada em 03/04/2002 às 00h00

A confirmação de dois casos de dengue hemorrágica no bairro de Ponta Verde, área nobre de Maceió, é um alerta para o comportamento epidemiológico da doença, causada pelo Aedes aegypti: o mosquito está presente em qualquer lugar onde se acumula água parada. Apesar da intensificação em busca de potenciais criadouros, ações que conseguiram reduzir a incidência de infestação predial do mosquito de 4% para 1,8%, nos bairros da orla marítima, a reportagem flagrou, na manhã de ontem, uma calçada repleta de pneus velhos, latões de tinta e outros entulhos acumulando água da chuva numa calçada da Avenida Jatiúca, nas proximidades de uma borracharia. A calçada cheia de lixo fica em frente de um terreno baldio. Segundo informações da diretora do Departamento de Defesa à Saúde, da Secretaria Municipal de Saúde, Audinei Loureiro, os dois casos de dengue hemorrágicos confirmados são os que já estavam sendo investigados anteriormente. “Nós vamos continuar com as ações de intensificação de combate aos potenciais focos do mosquito em toda a cidade, sobretudo na região de Ponta Verde, onde a incidência de infestação predial do mosquito já teve uma queda significativa”, disse Audinei. O secretário de Estado da Saúde, Álvaro Machado, chama a atenção da população para o fato de os ovos depositados pela fêmea do Aedes ficarem impregnados nos recipientes secos por até um ano, eclodindo sempre em contato com a água. “Há o perigo de os ovos que vão formar o mosquito adulto no próximo verão já estarem postos, daí a importância das pessoas lavarem com água, sabão e escova os recipientes que recebem água”, orientou Álvaro Machado.

Mais matérias
desta edição