app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 0
Cidades

HOMOSSEXUAL É MORTO POR ESPANCAMENTO JAMYLLE BEZERRA REPÓRTER A Polícia Civil investiga a morte de um homossexual ocorrida na manhã da última segunda-feira (7), no bairro do Benedito Bentes, na parte alta de Maceió. A vítima, identificada como Jorge Carlos de Araújo, de 43 anos, foi espancada em via pública no início da manhã. De acordo com o Grupo Gay de Alagoas (GGAL), o caso é o 19º homicídio de LGBTQI+ ocorrido somente este ano no estado. O crime foi registrado por volta de 8h30. Pelo meno

Trata-se do 19º homossexual assassinado em AL em 2020

Por Jamylle Bezerra | Edição do dia 11/12/2020 - Matéria atualizada em 10/12/2020 às 21h58

A Polícia Civil investiga a morte de um homossexual ocorrida na manhã da última segunda-feira (7), no bairro do Benedito Bentes, na parte alta de Maceió. A vítima, identificada como Jorge Carlos de Araújo, de 43 anos, foi espancada em via pública no início da manhã. De acordo com o Grupo Gay de Alagoas (GGAL), o caso é o 19º homicídio de LGBTQI+ ocorrido somente este ano no estado.

O crime foi registrado por volta de 8h30. Pelo menos oito homens teriam obrigado a vítima a caminhar pela rua só de sunga. Enquanto obedecia às ordens, ele era agredido, inclusive com golpes de faca. Ao chegarem a uma quadra, o homem continuou sendo espancado, a pauladas e pedradas, morrendo no local. O corpo foi jogado em um barranco.

Por se tratar de uma área considerada perigosa, dominada por facções, as pessoas têm medo e não falam sobre o caso. Em contato com a Polícia Civil, a Gazeta foi informada que o crime está em investigação e que, nesta sexta-feira (11), haverá novidades sobre o andamento da apuração.

VIOLÊNCIA

Segundo Nildo Correia, presidente do GGAL, a morte de Jorge Carlos é a 19ª ocorrida só este ano, vitimando um homossexual. Somente neste mês de dezembro, é o terceiro caso registrado - os outros dois foram em Maceió e Jacaré dos Homens. No ano passado, segundo o GGAL, foram registrados 9 óbitos de LGBTQI+ em Alagoas, menos da metade ocorrida em 2020. Para Nildo, os números são reflexos da impunidade e da falta de proteção das minorias. “Isso é resultado da banalização da violência e da certeza da impunidade nesse país. Há também a ausência do poder público, que não tem políticas voltadas para este público”, pontua.

Mais matérias
desta edição