app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 0
Cidades

Mudan�as no tr�nsito do Farol dividem opini�o p�blica

O maceioense está apreensivo e dividido com a mudança anunciada pela Superintendência Municipal de Transportes e Trânsito (SMTT) na Avenida Tomaz Espíndola. Os pontos de discordância são a construção de um canteiro central, que as pessoas acham que vai re

Por | Edição do dia 10/01/2004 - Matéria atualizada em 10/01/2004 às 00h00

O maceioense está apreensivo e dividido com a mudança anunciada pela Superintendência Municipal de Transportes e Trânsito (SMTT) na Avenida Tomaz Espíndola. Os pontos de discordância são a construção de um canteiro central, que as pessoas acham que vai reduzir o fluxo de veículos devido ao estreitamento na pista de rolamento; bem como a transferência dos pontos de ônibus para a Ladeira Geraldo Melo. O gerente do Autoposto Avenida, próximo ao Colégio Madalena Sofia, Fábio José da Silva, disse que tomou conhecimento do projeto da SMTT através da imprensa e considera viáveis algumas alterações. “Achei correto proibir a passagem brusca para as vias paralelas. O trânsito realmente fica congestionado quando os veículos param no intuito de pegar a outra rua. Numa via principal, isso é inconcebível. Em oito anos trabalhando aqui tenho visto muita barberagem aqui. Tem motorista que entra na contramão descaradamente, na Rua Afonso Pena, apesar de a placa está bem visível proibindo a manobra. O que não entra na minha cabeça é como vai ser feito o canteiro central. A pista já é estreita e vai piorar. Também nunca vi ponto de ônibus em ladeira. O resto das idéias contidas no projeto são aceitáveis”, avaliou. Já a artesã Élcia Polinário Ferreira, residente nas imediações da Tomaz Espíndola, acha que a SMTT deve demorar um pouco mais para implementar a mudança. “Quando há uma mudança o povo demora para se acostumar, imagine havendo um prazo curto para a divulgação da mudança. É precipitado alterar o trânsito já no início do ano letivo. A SMTT devia fazer uma campanha maciça na televisão, que é um veículo com penetração em todas as classes sociais, antes de promover qualquer mudança. Para mim, não ficou clara a idéia do canteiro na Tomaz Espíndola. A pista precisa ser enlarguecida, não o contrário. O ponto de ônibus na ladeira também não vai ficar conveniente”, opinou. Segundo o funcionário público Ozéias Cardoso dos Santos, a SMTT tinha mesmo que dar um basta para a conversão abusiva feita pela maioria dos motoristas na Tomaz Espíndola. Mas ele também questiona a novidade do canteiro. “A gente não entende de engenharia de tráfego, mas é duro conceber que o canteiro vai melhorar o fluxo. O ponto de ônibus na ladeira é outra aberração. Vamos aguardar para ver, até porque acredito que os próprios dirigentes da SMTT vão fazer ajustes do projeto quando verificar na prática se houve ou não melhorias”.

Mais matérias
desta edição