app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 0
Cidades

Vendas cresceram 50% desde o final de 2003

Na corrida das pessoas em busca de um tipo de segurança que possa funcionar, realmente, quem tem obtido bons lucros são as lojas especializadas nesse tipo de aparelhagem. Desde o início das festas do fim do ano passado, o crescimento nas vendas cresceu ce

Por | Edição do dia 15/02/2004 - Matéria atualizada em 15/02/2004 às 00h00

Na corrida das pessoas em busca de um tipo de segurança que possa funcionar, realmente, quem tem obtido bons lucros são as lojas especializadas nesse tipo de aparelhagem. Desde o início das festas do fim do ano passado, o crescimento nas vendas cresceu cerca de 50%, conforme contabilizam os comerciantes. “É nesse período de festas que as pessoas mais procuram proteger seus imóveis, principalmente porque costumam viajar e deixar a casa sozinha. Depois do Natal e ano-novo, vem o carnaval, outra festa em que as pessoas gostam de deixar a cidade. Então, a solução mais segura é esse tipo de sistema de cerca elétrica”, informou a assistente de vendas de uma loja especializada, Juliana Inácio. As cercas elétricas instaladas pelas lojas especializadas não matam a pessoa, apenas dá-lhe um choque e a joga a uma certa distância. Elas têm 8 mil volts e são pulsativas, ou seja, a cada meio segundo emitem um pulso de choque e não oferecem risco de morte a quem tentar tocá-la. “Ou seja, a pessoa não fica agarrada nos fios, ela apenas é jogada a uma certa distância”, explicou o supervisor técnico da loja, Jean Barbosa Cavalcante. Ele acrescentou que a cerca que dá choque é aquela com 220 volts. “Nessa, a tensão é menor, mas a corrente é maior e fica o tempo todo presente na cerca. Por isso, a pessoa que tocá-la fica agarrada e morre”. Mas para quem quer ter segurança especializada há um preço, que nem sempre é acessível a todos. Mas o mercado vive seu melhor momento. “Nunca as vendas tiveram tão em alta, fato causado principalmente pelo aumento da violência e da criminalidade. A cerca eletrificada se popularizou. O mercado aumentou tanto que o preço despencou”, salientou Jean Barbosa. Segundo ele, no início de 2003, o metro linear da cerca era R$ 12. “Hoje, o preço está em R$ 4,50 até 20 metros, e R$ 3,50 passando dos 20. O kit total, incluindo a central de choque, as hastes de aterramento, o cabo de alta tensão, a sirene e as placas de advertência, custa R$ 290, com a garantia de um ano”, afirmou, acrescentando que a sirene serve para acionar um alarme, no caso de o “ladrão” cortar o fio elétrico. Jean Barbosa ressaltou que a cerca só pode ser instalada a partir de uma altura de 2m, para não haver risco de alguém levantar a mão, por acaso, e tocar nos fios. Ele comentou ainda que esses valores já incluem a instalação, feita por técnicos autorizados pela empresa. Mas admite que há estabelecimentos onde a pessoa adquire o equipamento e instala por conta própria. “Isso é um grande risco”, finalizou.

Mais matérias
desta edição