app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 0
Cidades

Envelhecer: “Uma b�n��o dada por Deus”

FERNANDA MEDEIROS Curtir um bom bate-papo com os amigos, aproveitar a beleza natural das praias, dançar, praticar esportes, viajar, enfim, muita diversão e lazer. Quem disse que essas atividades são exclusivas das pessoas jovens? Há cada dia, tem

Por | Edição do dia 22/02/2004 - Matéria atualizada em 22/02/2004 às 00h00

FERNANDA MEDEIROS Curtir um bom bate-papo com os amigos, aproveitar a beleza natural das praias, dançar, praticar esportes, viajar, enfim, muita diversão e lazer. Quem disse que essas atividades são exclusivas das pessoas jovens? Há cada dia, tem aumentado à procura de pessoas (homens e mulheres) da terceira idade, também chamada de melhor idade, por atividades desse tipo. A cada dia também, aparecem novos clubes ou grupos de dedicados a essa faixa etária, ou seja, acima dos 60 anos. “Envelhecer é uma benção dada por Deus”. Assim define a fase da terceira idade, a presidenta do Grupo de Idosos Liberdade, que se reúne todas as quintas-feiras, no Centro Social Urbano Cleto Marques Luz, no Conjunto Santo Eduardo, Maria Nita de Araújo Tenório, 77 anos. “Defino desta maneira porque nem todo mundo consegue chegar a esta fase da vida. Só mesmo sendo uma dádiva de Deus”, justificou. O Grupo de Idosos Liberdade foi criado há 15 anos, tem 250 pessoas cadastradas e deve cadastrar mais 50 ainda este mês. São pessoas com idade a partir dos 60 anos e a mais velha chega a 83 anos. É o caso de Antônio Luiz da Silva, 83, que freqüenta o grupo todas as quintas-feiras, sempre acompanhado da família. Lá, ele se diverte, conversa com os amigos, canta e só não dança porque uma queda lhe obrigou a ter de andar de muletas. “Mas não estou morto. Sempre venho aqui e me divirto bastante. Continuo muito vivo”, afirmou. As reuniões do grupo acontecem a partir das 15 horas e vão até as 18h30. No encontro há atividades como danças folclóricas (baiana, pastoril, quadrilha), baile, forró com música ao vivo, distribuição de lanches (refrigerantes, café, bolos, comidas típicas), exibição de coral, entre outras. O grupo também se reúne para viagens pelo litoral alagoano e, neste ano, vai sair com um bloco carnavalesco denominado “As Brotinhas da Melhor Idade na Folia 2004”. Há também palestras e distribuição de brindes, que são doados pelos próprios associados. “Todos temos prazer em fazer essas atividades. A animação e a vontade de viver nos contagia”, afirmou Nita Tenório. Para os homens do grupo, há jogos como dominó e dama, mas estão aguardando uma mesa de sinuca. “Estamos pleiteando uma doação com pessoas que queiram nos ajudar”, salientou a presidenta do grupo. Segundo ela, o grupo é apoiado pela Secretaria Municipal de Assistência Social (Semcas), com quem possui convênios para a aquisição de alimentos. “Também estamos tentando reativar a quadra do CSU, para a prática de esportes”. No Serviço Social do Comércio (Sesc) também existe um grande e animado grupo de terceira idade. É o Grupo da Felicidade, criado em 18 de novembro 1984, e, hoje, conta com cerca de 800 pessoas, entre homens e mulheres. Atualmente, o grupo está em período de férias. As atividades só recomeçam na primeira quarta-feira de fevereiro. E já promete voltar com a corda toda, pois no dia 13 desse mês desfilará pelas ruas de Jaraguá, o Bloco “Sou Bom Nisso”, para animar a população do bairro. “Vamos sair do coreto da Praia da Avenida e percorrer o bairro histórico de Jaraguá. Para nós, não importa a idade, o importante é a diversão, é viver”, comenta dona Carmelita Olindina Costa, 72 anos. Amor pela vida encanta idosos A amiga e companheira de grupo Vandete Tavares, 69, pensa da mesma forma. “O importante é sentir e mostrar que estamos vivas, que vale a pena viver”, observou. Ela explica que nos encontros do grupo, que acontecem sempre, às quartas-feiras, há bailes, apresentação de danças típicas, como pastoril, baiana, reisado, taieira e quadrilha. “Organizamos também viagens, encontros e palestras em outros estados e toda última quarta-feira de cada mês, promovemos um grande baile com música ao vivo, no salão do Sesc”. Lurdes Oliveira, 75, é outra que dá uma lição a muitos jovens que andam por aí, se descuidando da saúde, do corpo, da vida. “Aqui estamos num verdadeiro centro de lazer, pois mantemos vivo o prazer da diversão, da amizade, da vida”, destacou. Todas afirmam que as famílias (filhos e netos) apóiam o que fazem. “Eles até nos acompanham, quando podem”, revelou. Animadas, afirmam que Maceió está bem servida de locais para a diversão dos idosos. “Não temos do que reclamar, pois há muitos centros de terceira idade em nossa cidade. Eu mesma participo de três deles”, explicou Lourdes, acrescentando que no Grupo da Felicidade, há ainda ginástica, musculação, cultos religiosos e meditação. Já a presidenta do Grupo Liberdade, Nita Tenório, não pensa desta forma, em relação às opções de lazer para os idosos, na capital alagoana. “Eu acho que Maceió está mal servida de opções para pessoas da terceira idade. Estamos sendo marginalizados por todos da sociedade, pois sentimos a falta de apoio e atenção das autoridades. Também faltam soluções, por parte dos governos estadual e municipal, para os problemas enfrentados pelos idosos”, reclamou, acrescentando que um dos maiores problemas é o descaso nos transportes coletivos. “É um absurdo o que os motoristas fazem com os idosos, na hora de parar o coletivo e na hora de dar a partida. Temos idosos em nosso grupo que já foram, inclusive, acidentados nos ônibus. Muitos até já quebraram braços, pernas e costelas. É preciso que eles tenham mais calma com as pessoas idosas”. Um recado para os jovens? Ela diz o seguinte: “Espelhem-se nos idosos que, hoje, estão dançando, brincando, cantando, se divertindo, mas que tiveram uma juventude tranqüila, sem excessos. Por isso, hoje, gozam de boa saúde e vitalidade. Cuidem-se. Não usem drogas, não maltratem a família, sobretudo os idosos. Tenham respeito com todos nós, pois é bom lembrar que vocês também vão chegar a nossa idade e vão querer ser respeitados e bem tratados, assim, como nós”, concluiu.

Mais matérias
desta edição