app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 0
Cidades

CRIMES CONTRA ANIMAIS AUMENTARAM 150% DURANTE A PANDEMIA EM AL

Comissão de Bem-Estar Animal da OAB-AL chega a receber até 30 denúncias por dia

Por greyce bernardino | Edição do dia 01/05/2021 - Matéria atualizada em 01/05/2021 às 04h00

Em Alagoas, crimes contra animais aumentaram 150% durante a pandemia da Covid-19, segundo informou a presidente da Comissão de Bem-Estar Animal da Ordem dos Advogados de Alagoas (OAB-AL), Rosana Jambo. Em Maceió, um caso para lá de entristecedor, onde uma cadela é arrastada por uma mulher, em uma motocicleta, chamou a atenção de autoridades públicas e defensores de animais, que pedem punições severas para quem maltratar qualquer tipo de animal. O caso aconteceu em Satuba, em Maceió. A cena do animal sendo arrastado, por um longo trajeto, pendurado pela coleira em uma moto, foi gravada por câmeras de segurança de um condomínio. O delegado Leonam Pinheiro, da Delegacia Especializada de Roubos da Capital (DERC), informou, por sua vez, que o caso foi esclarecido. “Ela [mulher na moto] foi interrogada e o caso concluído. Já encaminhamos tudo para a Justiça”, limitou-se. Durante o momento de desespero do filhote, Ana, a irmã de uma das residentes do condomínio, estava presente e interveio. Ela afirmou que a mulher na moto avisou que a cachorra não era dela e que a dona não a queria mais, por isso, “jogaria fora”. Após ver que as patas do animal estavam machucadas, em prontidão, Ana adotou o filhote, que hoje se chama Esperança, para homenagear a sua história. Rosana Jambo se diz triste ao tomar conhecimento desses casos. Acrescentou, ainda, que os crimes de abandono, abusos, agressões e maus tratos em geral, vêm aumentando de uma maneira rápida, se comparado aos anos anteriores. “Recebíamos cerca de 10 denúncias por dia antes da pandemia. Com a pandemia, entretanto, há dias em que chegamos ao número de 25 ou 30”, pontuou. Jambo ainda disse que, na pandemia, a prática de adoção cresceu, mas não o suficiente para desafogar entidades acolhedoras, que encontram-se lotadas. Isso porque, boa parte dos animais abandonados e resgatados são levados para abrigos, onde ficam no aguardo de um novo dono.

Maria Alice tem 7 anos e seu melhor amigo é o cachorrinho Ralph. A mãe da menina, Letícia Maria, contou que o animal foi adotado. Ele foi controlado debilitado após ser maltratado por seu antigo dono, porém, hoje, vive uma realidade totalmente diferente.

“Alice tem ele como alguém da família. É surreal o amor dela por seu cachorro. Trata Ralph como um irmão. Ele tem os dias certos para tomar banho, ir ao veterinário e, ainda, tem a a ração preferida.Alice faz questão de acompanhar tudo de perto”, falou a mãe da menina.

Mais matérias
desta edição