app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 0
Cidades Academias de ginástica mantém protocolo de segurança durante a pandemia de Covid-19

ACADEMIAS SEGUEM COM PROTOCOLO SANITÁRIO PARA EVITAR CONTÁGIO

Devido à pandemia, estabelecimentos estão autorizadas a funcionar com 30% da sua capacidade total

Por Maíra Sobral* | Edição do dia 25/05/2021 - Matéria atualizada em 25/05/2021 às 04h00

Com a retomada gradual das atividades sociais no Estado de Alagoas, as academias estão autorizadas a funcionar com 30% da sua capacidade total e o público não tem deixado de lado a oportunidade voltar a se exercitar com o suporte desses estabelecimentos, como contam os educadores físicos Milla Dayanne e Thalles Jarsen. Segundo Milla, existe uma minoria de alunos que está preferindo manter a rotina de treino em casa, na academia do condomínio ou em ambientes abertos e ao livre, para evitar os espaços fechados e maior circulação de pessoas. No entanto, o restante dos alunos optou por se adaptar aos protocolos e retornar para as academias. “São poucas as pessoas que ainda estão com receio de acabar pegando o vírus na academia, então a procura está dentro da normalidade. Tem pessoas novatas fazendo matrícula e principalmente quem já foi vacinado, que ficam com mais segurança de estar nesse tipo de ambiente. Um aluno ou outro que ainda tem receio, mas ainda assim continuam indo e sempre procurando higienizar as mãos com álcool em gel e tendo o maior cuidado”, contou Milla, que trabalha como personal na Smart Fit do Maceió Shopping. Para Thalles, a retomada do público para as academias evidencia que a população está muito mais preocupada com a saúde e o condicionamento físico após esse período crítico vivido nos últimos meses. “Com essa pandemia as pessoas viram que o exercício físico não está relacionado só a estética, como muitos pensam, elas estão vendo um outro lado do benefício do exercício físico voltado para a saúde. Na academia onde eu trabalho, são seguidas todas as diretrizes, controlando o número de pessoas em 30% da capacidade, só treinos com horário marcado. Os professores cobram o uso de máscara dos alunos, um ou outro que quer abaixar a máscara para dar uma respirada, mas o professor quando vê já conversa”, esclareceu Thalles. Ele contou ainda que no início da pandemia foi procurado procurado por um novo aluno que era obeso e temendo uma possível infecção pelo coronavírus e os riscos causados pelo excesso de peso e pelo sedentarismo, resolveu buscar as atividades físicas para emagrecer e fortalecer a sua saúde. O aluno já conseguiu emagrecer 35kg e mantém os hábitos de exercícios físicos no seu dia a dia. Em razão da redução para 30% da capacidade, é indispensável agendar com antecedência o dia e horário para utilizar a academia e seguir atentamente as medidas sanitárias de higiene. “Os alunos devem realizar o agendamento no aplicativo ou no site da academia e estamos limitando a uma hora de treino para não ficar muita gente no mesmo horário. Além disso, tem a questão da higienização das máquinas e dos halteres com álcool e papel toalha e o descarte do papel”, detalhou a educadora física. O fiscal do Conselho Regional de Educação Física Antônio Neto explicou que as visitas de fiscalização dos protocolos de segurança são feitas em parceria com a vigilância sanitária de cada município e com a Secretaria de Estado do Esporte, Lazer e Juventude (Selaj). “A gente faz as visitas de rotina e quando encontramos alguma situação que seja de descumprimento de protocolo sanitário, encaminhamos para a vigilância sanitária municipal. Além disso, a gente também faz fiscalizações com o Procon Estadual e com o Procon aqui em Arapiraca para verificar essas rotinas. Então a depender da gravidade do risco sanitário que a gente encontre, e eu ressalto que são poucas as vezes que encontramos o descumprimento do protocolo, a gente encaminha principalmente para as vigilâncias sanitárias”, pontuou o agente de fiscalização. Para Antônio o cenário de retorno desses estabelecimentos está positivo e não tem apresentado riscos para a população, uma vez que os protocolos determinados estão sendo majoritariamente cumpridos. Como os proprietários sentiram muito o período em que as academias ficaram fechadas, eles estão realmente preocupados em seguir os protocolos sanitários. Claro que nem 100% das academias são perfeitas, mas a grande e esmagadora maioria vem seguindo as normas sanitárias para que a população continue sendo bem atendida”, enfatizou Antônio.

Mais matérias
desta edição