app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5749
Cidades

Mar e lagoa avan�am e destroem pistas em dois bairros de Macei�

A erosão provocada pelo avanço do mar, na Praia do Sobral e após o Detran, e pela Lagoa Mundaú, no Pontal da Barra, tem se agravado, danificando parte das pistas. Na Avenida Assis Chateaubriand, um trecho do acostamento foi destruído pelas ondas fortes

Por | Edição do dia 11/04/2002 - Matéria atualizada em 11/04/2002 às 00h00

A erosão provocada pelo avanço do mar, na Praia do Sobral e após o Detran, e pela Lagoa Mundaú, no Pontal da Barra, tem se agravado, danificando parte das pistas. Na Avenida Assis Chateaubriand, um trecho do acostamento foi destruído pelas ondas fortes e nem mesmo enormes pedras colocadas amenizaram o problema. A pista recebeu sinalização para interditar o acostamento e evitar acidentes. O trecho destruído pela lagoa, no Pontal, representa um perigo em potencial para os motoristas que transitam à noite: surgiu um enorme buraco que toma metade da via. Moradores e pescadores acreditam que a erosão é uma resposta aos impactos ambientais provocados pelo cais construído pela Salgema e até mesmo pelo emissário submarino. Segundo a coordenadora em exercício do Programa Lagoa Viva, Virgínia Miller, o professor Ivan Fernandes Lima, alertava, há mais de 20 anos, para a questão. “Ele questionava a construção do emissário submarino, que provocaria mudanças nas correntes marítimas”, explicou Virgínia. Ela lembrou que antigamente não dava nem mesmo para ver o mar, na Praia do Sobral, em função da existência de duas faixas de dunas móveis que formavam uma proteção natural. Lenice Moraes, da Associação de Moradores do Pontal da Barra, salientou que o problema se agravou com a retirada de areia da orla lagunar, acabando com as dunas e com a vegetação existente. O pescador Odilon Emílio dos Santos defende ações que possam conter o avanço do mar. “Não adianta nada recuperar a pista, porque o mar vai novamente destruí-la, é preciso conter fazendo uma espécie de barragem”, concluiu Odilon.

Mais matérias
desta edição