app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 0
Cidades

POPULAÇÃO PROTESTA CONTRA FALTA D’ÁGUA

Moradores dos conjuntos Eustáquio Gomes e Santa Maria fecharam a pista em protesto contra deficiência no abastecimento

Por Lucas Rocha | Edição do dia 17/06/2021 - Matéria atualizada em 17/06/2021 às 04h00

Moradores dos conjuntos Santa Maria e Eustáquio Gomes, na Cidade Universitária, , parte alta de Maceió, bloquearam os dois sentidos da Avenida Lourival Melo Mota, que dá acesso ao Aeroporto Zumbi dos Palmares, na manhã desta quarta-feira (16), pedindo providências quanto ao abastecimento de água na região. Na tarde dessa terça-feira (15), a Casal notificou a interrupção do fornecimento de água para alguns bairros da parte alta da cidade, devido às fortes chuvas que afetaram a qualidade da água bruta usada no Sistema Aviação, responsável pelo abastecimento de algumas localidades. Contudo, segundo os moradores, a situação do abastecimento de água na região é precária há anos, sendo interrompida frequentemente, com diferentes justificativas por parte da Casal. “Aqui a gente tem água semana sim e semana não. Não adianta dizer que é por causa da chuva, é um problema antigo”, afirma Raimundo Medeiros, um dos organizadores do ato. “Se fosse em decorrência das chuvas, nós entenderíamos. Mas há anos falta água na região. É um desrespeito e uma falta de compromisso com o povo. Passamos por isso várias vezes durante o verão também”, salienta o morador. Ele diz que o objetivo do protesto é chamar atenção das autoridades. “Queremos que estado e prefeitura vejam a nossa situação tomem conta da questão, não podemos ficar assim”, concluiu. Após negociações, um dos sentidos da via foi aberto para o trânsito. Procurada pela reportagem, a Casal relatou que, em função do grande volume de chuvas, a água bruta do sistema de abastecimento continua com uma turbidez muito alta, devido a muitos sedimentos e matéria orgânica que foram carregados para o manancial. Com isso, o tratamento e fornecimento de água seguem comprometidos.

Segundo a companhia, o fornecimento paliativo, por meio de caminhão pipa, está ocorrendo desde o início da semana. Contudo, não é possível atender a todos os moradores ao mesmo tempo.

A Casal confirma que o fornecimento precisou ser paralisado outras vezes anteriormente, mas que a companhia procura sanar toda situação emergencial o mais rápido possível e procura realizar trabalhos preventivos. A companhia disse estar em contato com o gerenciamento de crise da Polícia Militar para esclarecer o caso.

Mais matérias
desta edição