app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 0
Cidades

SÍNDROMES GRIPAIS AFASTAM 177 SERVIDORES DA SAÚDE EM AL EM 1 MÊS

Parte dos profissionais afastados trabalha na linha de frente de combate à pandemia e agora enfrenta a infecção por Influenza

Por regina carvalho | Edição do dia 15/01/2022 - Matéria atualizada em 14/01/2022 às 22h39

Em um mês, síndromes gripais resultaram no afastamento de 177 profissionais da saúde em Alagoas. Parte desses trabalhadores, que atua há quase dois anos na linha de frente de combate à pandemia, enfrenta um novo desafio nesse início de 2022: o aumento de casos de Covid-19 e de Influenza. Se aumenta o número de infectados, as unidades lotam e os trabalhadores sofrem.

Quando a pandemia parecia sob controle, surge um cenário ainda de incerteza. Segundo Marcos Holanda, presidente do Sindicato dos Médicos de Alagoas (Sinmed/AL), houve, nas últimas semanas, o aumento do número de médicos afastados para tratar a Covid-19. Uma realidade, mas sem a gravidade registrada no ano passado, segundo ele.

“Existem já vários afastamentos dos colegas médicos. Muitos mesmo estão se afastando novamente, só que não como da vez passada.. Hoje o pessoal está ficando por volta de cinco dias, com sintomas bem mais leves, seguindo o protocolo do CDC (Centros de Controle e Prevenção de Doenças) que diz que a partir dos 7 dias sem sintomas, no oitavo já volta ao trabalho. O que a gente vê é que essa variante tem uma transmissibilidade muito grande, porém, também por conta da vacina, a repercussão tem sido bem mais leve, com poucos internamentos”, afirma.

“Em relação à influenza veio numa hora atípica. Não é muito comum isso aí da influenza este mês. Geralmente, a gente vacina em abril para os momentos de elevação que são lá para junho, julho e agosto. Por isso, tem que tomar vacina com cinco meses ou seis meses”, explica.

Segundo o médico, a entidade que dirige posicionou-se contrária à flexibilização dos protocolos. “A postura do Sinmed sempre foi contra aglomerações. Fomos uma das primeiras entidades a falar sobre isso. Sabia que a caminhada de turistas para cá, com fácil contato, traria logo novas cepas. Acredito que essa flurona está com os dias contados, e acho que talvez seja a última repercussão do vírus. Espero estar certo, não sou especialista. Parece que está perdendo a força”, declara Marcos Holanda.

PROFISSIONAIS

Dados da Sesau mostram que 7,7 mil profissionais foram infectados pelo novo coronavírus em Alagoas, o que representa 3,2% do total de 244,5 mil casos registrados. Já segundo o último boletim da Secretaria Municipal de Saúde, foram confirmados em Maceió 4,8 mil trabalhadores da área infectados desde o início da pandemia, percentual de 5,1% do geral de notificações da doença.

No site do Conselho Federal de Enfermagem, Alagoas aparece com 178 casos e dez óbitos de profissionais da Enfermagem por Covid-19. A Confederação Nacional de Saúde orientou que profissionais de saúde com Covid-19 não sejam afastados do trabalho caso estejam assintomáticos e tenham tomado a dose de reforço da vacina contra a Covid-19. Para os que apresentarem sintomas, a regra muda: o atestado deverá ser de cinco dias.

Mais matérias
desta edição