app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 0
Cidades Maceió, 18 de janeiro de 2022
Vacinação infantil no Maceió shopping no bairro da Mangabeiras. Alagoas - Brasil.
Foto:@Ailton Cruz

MACEIÓ NÃO INCLUIU CORONAVAC NA VACINAÇÃO DE CRIANÇAS DE 6 A 11 ANOS

Sesau divulgou nota técnica com orientação para municípios sobre aplicação pediátrica do imunizante

Por greyce bernardino | Edição do dia 28/01/2022 - Matéria atualizada em 27/01/2022 às 22h26

A Secretaria de Estado da Saúde de Alagoas (Sesau/AL) divulgou Nota Técnica ontem, com orientação aos municípios do Estado sobre a imunização de crianças de 6 a 11 anos com a vacina Coronavac, desde que eles sigam o que consta nas recomendações da pasta. Maceió, no entanto, não vai usar, pelo menos por enquanto, o imunizante nos pequenos. A Pfizer pediátrica continuará sendo administrada a esse público na capital alagoana.

“A Secretaria de Saúde de Maceió informa que o quantitativo de doses disponíveis da vacina pediátrica da Pfizer tem atendido à procura do público pela imunização infantil. Nesse momento, Maceió seguirá aplicando apenas o imunizante da Pfizer para o público de 5 a 11 anos”, informou a Secretaria Municipal de Saúde de Maceió (SMS), por meio de nota.

Na última sexta-feira (21), o Ministério da Saúde (MS) anunciou que incluiu a Coronavac no Programa Nacional de Imunizações (PNI) para vacinar crianças e adolescentes entre 6 e 17 anos contra a Covid-19. Em Maceió, segundo a SMS, existem 9.730 doses remanescentes da Coronavac, sem contar com as que estão disponíveis para a dose de reforço dos que já iniciaram a imunização - adultos.

NOTA DA SESAU

Por meio de nota técnica, a Sesau/AL orientou sobre a imunização contra a Covid-19 de crianças e adolescentes de 6 a 17 anos com a vacina CoronaVac. A nota informa que a formulação da vacina é a mesma já utilizada para o público adulto, entretanto, ela é contraindicada para crianças e adolescentes imunocomprometidos, segundo recomendação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

A nota também ressalta que diante da semelhança das cores dos frascos dos imunobiológicos Coronavac e Pfizer Pediátrica, ambos na cor laranja, deverão ser estabelecidas estratégias para operacionalização da vacinação pediátrica. O objetivo é evitar que os imunobiológicos não sejam ofertados de forma concomitante no mesmo ponto de vacinação, ou seja, que sejam ofertados em salas ou em dias distintos, objetivando minimizar o risco de erro de imunização.

DISTRIBUIÇÃO

Além disso, o documento também informa que o critério para distribuição de doses da vacina CoronaVac para atender o público infantil será mediante a solicitação municipal. Com isso, a distribuição irá ocorrer considerando o estoque municipal, bem como, a população-alvo estimada e a já atendida mediante a distribuição do imunizante Pfizer Pediátrico.

Mais matérias
desta edição