app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 0
Cidades

Chuvas fortes d�o tr�gua em Alagoas

BLEINE OLIVEIRA As nuvens se dissiparam, subindo em direção aos estados da Paraíba e do Rio Grande do Norte. Por isso não choveu em Maceió ontem, conforme havia sido previsto. Essa foi a explicação do meteorologista Ricardo Sarmento para a ocorrência de

Por | Edição do dia 04/06/2004 - Matéria atualizada em 04/06/2004 às 00h00

BLEINE OLIVEIRA As nuvens se dissiparam, subindo em direção aos estados da Paraíba e do Rio Grande do Norte. Por isso não choveu em Maceió ontem, conforme havia sido previsto. Essa foi a explicação do meteorologista Ricardo Sarmento para a ocorrência de tempo bom na capital, quando a expectativa, criada em função das informações meteorológicas, era de que choveria provavelmente na mesma proporção das chuvas que caíram na terça-feira, dia 1º. Mesmo assim, afirma Ricardo, coordenador do Sistema de Radar Meteorológico, instalado na Universidade Federal de Alagoas (Ufal), as áreas de instabilidade continuam no litoral alagoano. “Está chovendo na região de Coruripe”, ressalta o meteorologista. Para ele, foi bastante positivo que as previsões de chuva não tenham se confirmado, pois assim a assistência ao desabrigados pode ser efetuada sem transtornos e sem riscos de novos desabamentos. Entretanto, alertou para o fato de que novas ocorrências como a que provocou verdadeira tragédia em Maceió esta semana poderão se repetir até setembro. Previsão Os pluviômetros, equipamentos cujos dados revelam a ocorrência de chuva com antecedência, do Radar Meteorológico, mostram que não há precipitação imediata. “Para esta sexta-feira a previsão é de chuvas isoladas de fraca intensidade no Litoral”, afirma Ricardo Sarmento. Isso significa, segundo ele, que pode chover em Maceió, mas a previsão é de que nesta sexta-feira e também no sábado a cidade fique livre das águas torrenciais. “Talvez chova um pouco no domingo”, acrescenta ele. Mais de três mil pessoas estão desabrigadas em Maceió, em decorrência da destruição de suas casas e barracos durante as chuvas que caíram na cidade na última terça-feira. O número foi confirmado, ontem, pelo coordenador da Defesa Civil Municipal, engenheiro Galvacy de Assis, para quem a tendência é de que o número se mantenha, se continuar sem chover. Mortes Quanto ao número de mortos, o Corpo de Bombeiros (CB) Militar totalizou, até o final da tarde de ontem, 29 vítimas fatais. A sargento Luciana Leonardo, da assessoria do CB, informou que o número inclui um menino, Daniel dos Santos, de seis anos, vítima de desabamento e cujo corpo foi encontrado em meio aos destroços da casa em que morava, na Grota Santa Helena, no Jacintinho. Os bombeiros continuam procurando o corpo de um bebê de 11 meses, vítima da queda de barreira na localidade Ouro Preto. As buscas serão reiniciadas hoje, pois só é possível procurar enquanto há iluminação natural.

Mais matérias
desta edição