app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 0
Cidades Entre os produtos recolhidos fora do prazo de validade estavam carne bovina e suína, salsicha e linguiça

VIGILÂNCIA SANITÁRIA APREENDE MAIS DE 700 KG DE ALIMENTOS IMPRÓPRIOS

.

Por TATIANNE BRANDÃO | Edição do dia 24/05/2022 - Matéria atualizada em 24/05/2022 às 02h33

A Vigilância Sanitária de Maceió (Visa) apreendeu, neste final de semana, 700 kg de alimentos impróprios perecíveis e não perecíveis para consumo. A ação ocorreu em bairros das partes alta e baixa da cidade. Dentre as irregularidades, fiscais do órgão analisaram as condições de armazenamento, refrigeração, manipulação, conservação e comercialização de alimentos. Os locais onde houve o recolhimento dos alimentos impróprios para consumo foram notificados e poderão receber multa que varia de R$ 180 a R$ 19 mil. Entre os produtos recolhidos fora do prazo de validade estavam carne bovina e suína, salsicha, linguiça calabresa e queijos. “A Vigilância Sanitária está sempre alerta para garantir que os consumidores adquiram produtos de qualidade. Durante as fiscalizações, ressaltamos aos comerciantes sobre a importância de garantir a saúde dos maceioenses. Por isso, é imprescindível manter as normas sanitárias e comercializar os produtos de forma adequada”, explica o coordenador da Vigilância Sanitária de Maceió, Airton Santos. Os locais onde houve o recolhimento dos alimentos impróprios para consumo foram notificados e poderão receber multa que varia de R$ 180 a R$ 19 mil, a depender da gravidade do caso. Os alimentos apreendidos foram encaminhados ao descarte no aterro sanitário de Maceió. Para denunciar irregularidades, observadas em estabelecimentos fora das adequações sanitárias e que causam riscos à saúde da população, os maceioenses podem entrar em contato no telefone (82) 3312-5495, de segunda a sexta-feira, das 8h às 17h, ou pelo WhatsApp (82) 98752-2000, que funciona 24h, todos os dias, para o recebimento de mensagem de texto, foto e/ou vídeo. Todas as denúncias são anônimas, garantindo o sigilo do denunciante.

Mais matérias
desta edição