app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5717
Cidades

Prossegue fiscaliza��o � rede de esgoto na orla

A coordenadora de Ecologia Humana da Vigilância Sanitária Municipal, Cláudia Bastos, alerta a população para que faça a ligação do esgoto na estação de saneamento e não na galeria pluvial, como está ocorrendo, principalmente no bairro da Ponta Verde. El

Por | Edição do dia 18/04/2002 - Matéria atualizada em 18/04/2002 às 00h00

A coordenadora de Ecologia Humana da Vigilância Sanitária Municipal, Cláudia Bastos, alerta a população para que faça a ligação do esgoto na estação de saneamento e não na galeria pluvial, como está ocorrendo, principalmente no bairro da Ponta Verde. Ela explica que nas localidades servidas por rede de saneamento todos os proprietários de imóveis residenciais ou comerciais pagam a taxa do serviço, pois a mesma vem embutida mensalmente na conta da Companhia de Abastecimento d’Água e Saneamento do Estado de Alagoas (Casal). “As pessoas pagam e nem sempre usufruem do benefício. Por ignorância, o cidadão acha que será mais caro fazer a ligação na rede de saneamento. Então chama um pedreiro e manda fazer o serviço de qualquer jeito. Geralmente o pedreiro faz a ligação diretamente na rede de galeria pluvial, o que é um erro. Mais que isso, é um crime ambiental. Quando chove toda a sujeira é levada para o mar. Nós temos o maior trabalho e ônus para desviar os dejetos do curso do mar”, desabafou. Para coibir essa prática irregular uma equipe composta por profissionais da Vigilância Sanitária Municipal, Somurb, Instituto do Meio Ambiente (IMA) e Policiamento Ambiental já iniciou um trabalho de fiscalização de ligações clandestinas. “Estamos detectando onde existe ligação irregular. Visitamos domicílio por domicílio, notificamos o proprietário e estipulamos um prazo para a correção do erro. Há um serviço de orientação e quando o prazo se vence, voltamos ao local e multamos a pessoa, além de também destruir a ligação que foi feita errada”, confessou Cláudia. Ela frisa que o ideal é cada cidadão se conscientizar do problema, evitando se expor a situação constrangedora, como o tamponamento e o pagamento de multa.

Mais matérias
desta edição