app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5714
Cidades

Justi�a quer ficar mais pr�xima da popula��o

O presidente da Associação dos Magistrados Brasileiros, Cláudio Baldino Maciel, afirmou que as instituições têm buscado mecanismos para superar o distanciamento da imprensa. “Os Tribunais de Justiça e as associações de classe estão tentando se abrir à

Por | Edição do dia 20/04/2002 - Matéria atualizada em 20/04/2002 às 00h00

O presidente da Associação dos Magistrados Brasileiros, Cláudio Baldino Maciel, afirmou que as instituições têm buscado mecanismos para superar o distanciamento da imprensa. “Os Tribunais de Justiça e as associações de classe estão tentando se abrir à discussão pública”, afirmou ele, ao participar do seminário “O Judiciário e a Imprensa”, promovido pela Associação Alagoana dos Magistrados (Almagis). Cláudio Maciel foi um dos palestrantes de ontem do evento, abordando o tema “A Mídia e o Judiciário”. A Reforma do Poder Judiciário também foi alvo de discussão no último dia do seminário. O ex-presidente da AMB, Luís Fernando Ribeiro, abordou o tema, afirmando que, além de promover a celeridade processual, a reforma deve acabar com o medo da sociedade em chegar perto da Justiça. “Esse mistério em torno do Judiciário deve se acabar ou senão teremos celeridade nos processos, mas com resultados injustos”, disse ele, ressaltando que a reforma do Judiciário precisa ter uma visão da democracia, inclusive na sua linguagem. Eleição A participação dos juízes na escolha dos presidentes e vice-presidentes dos Tribunais de Justiça foi uma das propostas sugeridas pela Associação de Magistrados Brasileiros ao Congresso, mas ela foi retirada do texto final do projeto, a pedido dos integrantes dos TJs. “Se os juízes atuam nas eleições para presidente da República, por que não podem escolher os seus representantes?”, indagou o desembargador, defendendo a democratização do processo eleitoral no Judiciário”. Para o diretor-jurídico da  Organização Arnon de Mello, Djalma Mello, o seminário foi  um marco na história de Alagoas, “pois trata-se de uma  fundamental interação entre  o Poder Judiciário e a população”, afirmou.

Mais matérias
desta edição