app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5749
Cidades

Alagoas registra primeiro caso da nova variante Ômicron BQ.1

Ministério da Saúde aponta que percentual de casos na última semana aumentou em 64% no estado

Por Tatianne Bandão | Edição do dia 15/11/2022 - Matéria atualizada em 15/11/2022 às 04h00

Através de sequenciamento genômico, a Secretaria de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde (MS) detectou o primeiro caso da subvariante da Ômicron BQ.1 da Covid-19 em Alagoas. Os dados constam no relatório epidemiológico da semana 45, entre os dias 6 e 11 de novembro.  

O relatório do MS aponta também que houve um aumento no número de casos relacionados à Covid-19 no Estado. O percentual de variação de novos casos na última semana analisada foi de 64% em Alagoas. Outros 20 estados apresentaram crescimento. De acordo com a nota técnica, Alagoas confirmou 202 casos na semana 41; 158 na semana 42; 234 na semana 43; 146 na semana 44; 240 na semana 45, um total de 980 novos casos. 

No âmbito da vigilância genômica epidemiológica, entre as semanas 44 e 45, o Ministério da Saúde recebeu o resultado do sequenciamento genômico de 40 casos de covid-19 pela sublinhagem BQ.1* (BQ.1 + BQ.1.1) da VOC Ômicron. 

Além de Alagoas, com um caso confirmado, há novos casos também nos estados do Rio de Janeiro (12), Amazonas (1), São Paulo (2), Rio Grande do Sul (1), Santa Catarina (5), Distrito Federal (13), Espírito Santo (1) e Ceará (4). Somente em 11 de novembro de 2022, foram notificados 19 casos (SC, DF, CE, ES e AL). Também está sendo identificada a sublinhagem BA.5.3.1 da VOC Ômicron, com maior número de sequenciamentos no estado do Amazonas. 

A sublinhagem da variante Ômicron, a BQ.1 tem mostrado uma elevada capacidade de transmissão comparada às outras sublinhagens do coronavírus circulando atualmente no Brasil e tem sido relacionada a novas ondas de casos de covid-19 em diversos países da Europa e América do Norte. 

“Os dados indicam que a sublinhagem BQ.1 está circulando nessas unidades federativas, uma vez que esse número de sequenciamentos é apenas uma amostragem dos exames RT-PCR realizados”, diz trecho da nota técnica. 

“Embora não haja dados sobre gravidade ou escape imunológico de estudos em humanos, a BQ.1 está mostrando uma vantagem de crescimento significativa sobre outras sublinhagens da VOC Ômicron circulantes em muitos locais, incluindo Europa e Estados Unidos da América, e, portanto, merece monitoramento rigoroso. É provável que essas mutações adicionais tenham conferido uma vantagem de escape imunológico sobre outras sublinhagens circulantes de Ômicron e, portanto, um risco maior de reinfecção é uma possibilidade que precisa de mais investigação. Neste momento, não há dados epidemiológicos que sugerem um aumento na gravidade da doença”. 

Para evitar que uma nova onda da Covid-19 chegue a Alagoas, a equipe técnica da Secretaria de Estado da Saúde (Sesau) tem orientado a população a utilizar máscara em locais fechados e com grande fluxo de pessoas, evitar aglomerações, fazer a higienização das mãos frequentemente com água e sabão ou álcool em gel a 70%, além de manter atualizado o esquema vacinal com a 1ª e 2ª doses, as duas doses de reforço e, no caso dos imunossuprimidos, a dose adicional, já disponível em território alagoano desde março deste ano. 

Conforme o infectologista Renee Oliveira, chefe do Gabinete de Combate à Covid-19 da Sesau, as medidas sanitárias devem ser adotadas por todos, principalmente pelos idosos, pessoas com comorbidades, imunossuprimidos e as crianças. “Percebemos um relaxamento das medidas sanitárias preconizadas para evitar a Covid-19. Mas é preciso que elas sejam seguidas, porque o novo coronavírus não vai ser abolido, o que temos que fazer é saber conviver com ele, seguindo as medidas de proteção e completando o esquema vacinal”, alerta.

Mais matérias
desta edição