app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5718
Cidades

Bioma caatinga sofre com desmatamento ilegal em Mata Grande

Fiscalização Preventiva Integrada do São Francisco constata crime ambiental em vegetação nativa e aplica multa superior à R$ 38 mil

Por Jobison Barros | Edição do dia 25/11/2022 - Matéria atualizada em 25/11/2022 às 04h00

Combater o desmatamento ilegal é um dos objetivos da Fiscalização Preventiva Integrada (FPI) da Bacia Hidrográfica do Rio São Francisco. Numa única atuação, a Equipe Flora constatou o desmatamento ilegal da vegetação nativa do bioma caatinga de uma área de 372,35 hectares, no município de Mata Grande, Sertão de Alagoas.

A equipe apontou que a finalidade do corte ilegal foi a atividade agrícola, tendo sido constatadas vegetação derrubada e queima de lenha para diminuição do volume a ser descartado, caracterizando um claro processo de conversão de vegetação nativa para uso alternativo do solo, sem as devidas autorizações ambientais.

A fiscalização verificou que a área desmatada estava sendo usada para plantação de milho, criação de ovelhas, área sendo preparada para outros plantios, além de um grande terreno que passou por desmatamento e queimada recentes.

O empreendimento possui um enorme reservatório em processo de escavação para repositório de água. Ao longo de todo o trajeto percorrido, foram encontrados pontos de irrigação por gotejamento, mas o proprietário não possui nem outorga para poços artesianos e nem licenciamento ambiental para irrigação.

O licenciamento ambiental é importante e necessário por ser um instrumento que prevê condições para o estabelecimento de empreendimentos de modo a minimizar os danos ao meio ambiente e, ao mesmo tempo, garantir o desenvolvimento social e econômico do país.

O Instituto do Meio Ambiente (IMA) autuou a propriedade por operar atividade agrícola com utilização de irrigação sem autorização ou licença da autoridade ambiental competente, aplicando multa no valor de R$ 38.272,09.

RESGATE DE ANIMAIS

Também foli realizada a soltura de 193 animais silvestres na Caatinga do Alto Sertão de Alagoas que haviam sido resgatados. A Equipe Fauna levou os animais, que viviam aprisionados, para uma área de reserva ambiental, onde eles ganharam de volta a liberdade.

Entre as espécies de pássaros resgatados estavam Galos-de-Campina, Jesus-Meu-Deus, Sabiá, Azulão, Extravagante, Papa-Capim e Corrupião. Também voltou para o seu habitat um Tatu-Rabo-de-Couro e 5 preás, uma espécie de roedor.

Desde o último domingo (20), quando foram iniciadas as primeiras fiscalizações, a Equipe Fauna já resgatou mais de 400 animais silvestres, entre aves, répteis e mamíferos, que eram mantidos em cativeiro nas cidades de Delmiro Gouveia, Olho D’água do Casado, Piranhas, Mata Grande, Água Branca e Pariconha.

Nesta quinta-feira (24), foram soltos 193 animais. Os demais passam por avaliação e reabilitação de técnicos que compõem o Centro de Triagem e Reabilitação de Animais Silvestres (Cetas). Após serem tratados, eles podem finalmente ser libertados na natureza.

Manter animais silvestres em cativeiro pode gerar multa de R$ 500 a R$ 1 mil e, dependendo da espécie, a multa pode chegar a R$ 5 mil. Se for constatado maus-tratos, o responsável pode responder pelo crime e pegar pena de até 1 ano e 4 meses de prisão. Caso a quantidade de animais silvestres mantidos em cativeiro seja muito grande, pode ser considerado crime de tráfico de animais.

Mais matérias
desta edição