app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5710
Cidades

Chuvas devem diminuir a partir de hoje no estado

Desde a noite da última segunda-feira (28), fortes chuvas vem atingindo alguns municípios de Alagoas. Na região Agreste, Palmeira dos Índios foi uma das cidades que registrou alagamentos e deixou a Defesa Civil em alerta. Em Limoeiro de Anadia também noti

Por ANNA CLÁUDIA ALMEIDA | Edição do dia 01/12/2022 - Matéria atualizada em 01/12/2022 às 04h00

Desde a noite da última segunda-feira (28), fortes chuvas vem atingindo alguns municípios de Alagoas. Na região Agreste, Palmeira dos Índios foi uma das cidades que registrou alagamentos e deixou a Defesa Civil em alerta. Em Limoeiro de Anadia também notificou problemas. 

O Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) emitiu alertas e as chuvas intensas devem permanecer até hoje.  

Segundo o meteorologista Vinícius Pinho, da Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos (Semarh), essas chuvas são provocadas pela chamada zona de convergência do Atlântico Sul. “É um canal de umidade que está formado sobre o Brasil e se estende desde a região norte até o Nordeste. Esse canal de umidade associado ao calor tem provocado essas pancadas de chuva nos últimos dias”, disse.

Nos últimos três dias, já choveu em alguns pontos do estado mais de 100 mm. Um exemplo é Estrela de Alagoas onde já choveu 122 mm. Em Palmeira dos Índios foram 110 mm e em Arapiraca 90 mm. 

“Em diversos pontos do Sertão e Agreste tivemos bons volumes de chuva, assim como na Zona da Mata Alagoana. É uma chuva que vem atingindo praticamente todo estado, mas que tendem a diminuir significativamente a partir de hoje”, acrescentou Vinícius Pinho.  

Apesar da intensidade, o meteorologista descarta qualquer risco do estado reviver as cenas tristes registradas durante o outono e inverno, quando milhares de pessoas ficaram desabrigadas e desalojadas. 

“Não há o mesmo risco do meio do ano. Os rios tiveram uma certa elevação, porém ainda não atingiram cotas de atenção ou alerta pra cheia. E a tendência é que não atinjam essas cotas”, concluiu. 

Mais matérias
desta edição